Finanças

Poupança inverte tendência e tem retirada líquida de R$ 2 bilhões


De acordo com Banco Central, os saques superaram os depósitos em R$ 2,006 bilhões em outubro. Retirada foi a terceira maior no ano


  Por Agência Brasil 07 de Novembro de 2017 às 17:05

  | Agência de notícias da Empresa Brasileira de Comunicação.


Após cinco meses seguidos nos quais os depósitos na poupança superaram os saques, a tendência se inverteu em outubro, segundo o Banco Central. De acordo como o relatório de poupança divulgado nesta terça-feira (07/11), na captação líquida, os saques superaram os depósitos em R$ 2,006 bilhões.

Neste ano, de janeiro a abril, os saques superaram os depósitos. A retirada registrada em outubro foi a terceira maior do ano, sendo superada apenas pelas retiradas líquidas em janeiro (R$ 10,735 bilhões) e em março (R$ 4,996 bilhões). De maio a setembro, a poupança registrou mais depósitos. Agora, volta a fechar o mês no vermelho.

Nos 12 meses terminados em outubro, a poupança rendeu 7,32%, valor acima do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)-15, que funciona como uma prévia da inflação oficial, que acumula 2,71% no mesmo período.

Até 2014, os brasileiros depositavam mais do que retiravam da poupança. Naquele ano, as captações líquidas chegaram a R$ 24 bilhões. Com o início da recessão econômica, em 2015, os investidores passaram a retirar dinheiro da caderneta para cobrirem dívidas, num cenário de queda da renda e de aumento de desemprego.

Em 2015, R$ 53,5 bilhões foram sacados da poupança, a maior retirada líquida da história. Em 2016, os saques superaram os depósitos em R$ 40,7 bilhões.

Nos meses anteriores a outubro, a poupança tinha voltado a atrair recursos mesmo com a queda de juros. Isso porque o investimento voltou a garantir rendimentos acima da inflação, que chegou a cair nos últimos meses antes de se estabilizar recentemente.

IMAGEM: Thinkstock