Finanças

Mesmo com ação do BC, dólar fecha perto de R$ 4,15


Cenário econômico e político incerto, além de dados internacionais pressionaram a moeda norte-americana, que atingiu a maior cotação da história


  Por Agência Brasil 23 de Setembro de 2015 às 18:18

  | Agência de notícias da Empresa Brasileira de Comunicação.


Apesar das intervenções do Banco Central (BC), o dólar fechou esta quarta-feira (23/09) com forte alta e voltou a bater recorde. O dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 4,146, com alta de 2,28%, no maior valor da história.

A cotação teve um dia de fortes oscilações. No início do dia, o dólar chegou a operar em queda, atingindo R$ 4,017 na mínima do dia, por volta das 9h30. 

Nas horas seguintes, porém, reverteu a tendência e passou a disparar, até fechar na máxima do dia. A divisa acumula alta de 14,3% apenas em setembro e de 55,9% em 2015.

A atuação do BC foi insuficiente para segurar a moeda norte-americana. Contribuíram para o nervosismo do mercado a incerteza sobre a crise política e econômica do país, além do cenário internacional. 

No início da tarde, a autoridade monetária anunciou três leilões no mercado de câmbio: um leilão de rolagem (renovação) de contratos de swap cambial (venda de dólares no mercado futuro), um leilão de novos contratos de swap, que não era realizado desde abril, e a venda de US$ 2 bilhões das reservas internacionais com compromisso de recompra.

Além de turbulências internas, o cenário internacional contribuiu para a alta do dólar. 

A China divulgou que a produção industrial do país atingiu, em setembro, o nível mais baixo em seis anos. 

Além disso, o presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, declarou que a desaceleração dos países emergentes pode comprometer a recuperação da Europa.

FOTO: Thinkstock