Finanças

Mais brasileiros compraram à vista no Natal


Números da ACSP mostram que o indicador de vendas à vista teve alta de 13,1% e o indicador de vendas a prazo ficou estável, comparados ao mesmo período de 2018


  Por Redação DC 26 de Dezembro de 2019 às 15:10

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


O Indicador de Consultas de Cheque (ICH), vendas à vista, teve alta de 13,1% e o Indicador de Movimento do Comércio (IMC), vendas a prazo, ficou estável, comparados ao mesmo período de 2018.

No período do dia 1 a 24 de dezembro, os brasileiros compraram mais à vista do que parcelado. Os dados são da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) que revelam estabilidade no Indicador de Movimento do Comércio (IMC), vendas a prazo, e alta de 13,1% no número de compras à vista, com o Indicador de Consultas de Cheque (ICH). A média dos dois sistemas resultou em alta de 6,6% no movimento de compras. Esse número é preliminar e ainda não representa o resultado do mês.

As compras pagas à vista são classificadas como as de menor valor e movimentaram os setores de vestuário, cosméticos, calçados e brinquedos - seções mais escolhidas na hora de efetuar essa modalidade de pagamento – e outros bens de menor valor.

“O ICH em alta mostra que o brasileiro está mais animado para compras à vista e isso pode ser apontado como reflexo do 13° salário, aumento do emprego informal, saque do FGTS, entre outras medidas que foram adotadas em 2019, a fim de aquecer o comércio neste final de ano”, explica Marcel Solimeo, economista da ACSP.

O economista da Associação Comercial também explica que a Black Friday contribuiu expressivamente com a estabilidade do IMC, pois durante o mês de novembro a variedade de ofertas e facilidades na aquisição de bens duráveis antecipou o número de compras que sempre era realizado no final do ano.

Para ele, a estabilidade na compra de bens duráveis era esperado, e não significa estagnação no faturamento dos setores de móveis e eletrodomésticos e sim o movimento preliminar desses setores no mês de dezembro.

“Nossa grande surpresa foi no ICH, que fechou com um número muito maior do que imaginávamos. Foi surpreendente, embora tenha sido injetado mais dinheiro na economia este ano do que no ano anterior”, finaliza Marcel Solimeo, economista da Associação Comercial de São Paulo.

O Balanço de Vendas é elaborado pelo Instituto de Economia Gastão Vidigal da ACSP com amostra fornecida pela Boa Vista.