Finanças

Juros de linhas de crédito tem 23ª alta seguida em agosto


Houve aumento das taxas em cinco modalidades de empréstimos, de acordo com a Anefac


  Por Agência Brasil 12 de Setembro de 2016 às 14:06

  | Agência de notícias da Empresa Brasileira de Comunicação.


As taxas de juros das operações de crédito cresceram em agosto, sendo a oitava alta no ano e a 23ª consecutiva. 

Das seis linhas de crédito pesquisadas, apenas uma não teve alteração na taxa de juros em agosto: o CDC de bancos para financiamento de veículos

As demais taxas – juros do comércio, rotativo do cartão de crédito, cheque especial, empréstimo pessoal de bancos e empréstimo pessoal de financeiras – foram elevadas, de acordo com a Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

A taxa de juros média geral para pessoa física apresentou elevação de 0,04 ponto percentual no mês (1,13 pontos percentuais no ano) correspondente a elevação de 0,49% no mês (0,73% em doze meses) passando de 8,09% ao mês (154,35% ao ano) em julho para 8,13% ao mês (155,48% ao ano) em agosto sendo esta a maior taxa de juros desde agosto de 2003.

De acordo com os economistas da Anefac, o cenário econômico atual aumenta o risco do crescimento nos índices de inadimplência. 

“Este cenário se baseia no fato de que os índices de inflação mais elevados, aumento de impostos e juros maiores reduziram a renda das famílias. Agregado a isto, a recessão econômica deve promover crescimento dos índices de desemprego. Tudo isto somado e o fato de as expectativas para 2016 serem igualmente negativas leva as instituições financeiras a aumentarem suas taxas de juros para compensar prováveis perdas com a elevação da inadimplência”.

Para a pessoa jurídica, as três linhas de crédito pesquisadas tiveram elevação. A taxa de juros média geral para pessoa jurídica subiu 0,03 ponto percentual no mês (0,59 ponto percentual em doze meses) correspondente a uma elevação de 0,64% no mês (0,81% em doze meses) passando de 4,72% ao mês (73,92% ao ano) em julho para 4,75% ao mês (74,52% ao ano) em agosto. 

Esta foi a maior taxa de juros desde agosto de 2003.

Segundo os dados, a alta da taxa básica de juros (Selic) foi superior a 7 pontos percentuais (elevação de 96,55%), passando de 7,25% ao ano em março de 2013 para 14,25% ao ano em agosto de 2016.

Neste período a taxa de juros média para pessoa física aumentou 67,51 pontos percentuais (elevação de 76,74%) de 87,97% ao ano em março de 2013 para 155,48% ao ano em agosto de 2016. 

Nas operações de crédito para empresas houve elevação de 30,94 pontos percentuais (elevação de 71%) de 43,58% ao ano em março de 2013 para 74,52% ao ano em agosto de 2016.

Para a Anefac a tendência é de que as taxas de juros das operações de crédito voltem subir nos próximos meses. “Entretanto, como existe a expectativa de que o Banco Central possa vir a reduzir a taxa básica de juros (Selic) nos próximos meses, este fato pode igualmente contribuir para a redução das taxas de juros das operações de crédito”.

PROCON CONSTATA ALTA NO BALCÃO DOS BANCOS EM SETEMBRO

Os bancos voltaram a elevar as taxas de juros do cheque especial e do empréstimo pessoal em setembro.

Pesquisa do Procon de São Paulo aponta que, das sete instituições financeiras que fazem parte do levantamento (Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra, Santander), duas aumentaram a taxa de cheque especial e uma do empréstimo pessoal.

A taxa média do cheque especial dos bancos pesquisados foi de 13,56% ao mês, superior a de agosto, que foi de 13,52%, alta de 0,04 ponto percentual.

A maior elevação foi verificada no Banco do Brasil, que alterou a taxa de 12,83% para 13,04% ao mês, uma variação positiva de 1,64% em relação à taxa de agosto de 2016.

A outra alta foi apresentada pela Caixa Econômica Federal, alteração de 12,93% para 13,05%, variação positiva de 0,93%.

A menor taxa para o cheque especial praticada no mercado, dentre os sete bancos pesquisados, é a do banco Safra (12,6% ao mês); a maior é do Santander (15,19%).

A taxa média dos bancos para o empréstimo pessoal foi 6,80% ao mês, 0,24 ponto percentual superior à do mês de agosto (6,56%).

A única modificação nesta modalidade de crédito foi promovida pelo Banco HSBC, que alterou a taxa de 7,30% para 8,99% ao mês, uma variação positiva de 23,15%.

A menor taxa do empréstimo pessoal praticada em setembro é da Caixa Econômica Federa (5,5% ao mês); já a maior é do HSBC (8,99% ao mês).

FOTO: Thinkstock

Atualizado às 15h40





Publicidade






Publicidade







Publicidade