Finanças

Juro médio do rotativo sobe e fecha 2019 em 318,9% ao ano


Em 2017 começou a valer a regra que obriga os bancos a transferir, após um mês, a dívida do rotativo para o parcelado, a juros mais baixos. A intenção do governo era permitir que a taxa de juros do cartão recuasse, mas não é o que se tem observado


  Por Estadão Conteúdo 29 de Janeiro de 2020 às 10:15

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


O juro médio total cobrado no rotativo do cartão de crédito subiu 33,5 pontos porcentuais em 2019, informou nesta quarta-feira, 29/01, o Banco Central. Com isso, a taxa atingiu 318,9% ao ano. No fim de 2018, ela estava em 285,4% ao ano.

Apenas em dezembro houve avanço de 0,6 pontos porcentuais ante novembro. O juro do rotativo é uma das taxas mais elevadas entre as avaliadas pelo BC. Dentro desta rubrica, a taxa da modalidade rotativo regular atingiu 287,1% ao ano no fim de 2019. No encerramento de 2018, estava em 268,0% ao ano. Neste caso, são consideradas as operações com cartão rotativo em que houve o pagamento mínimo da fatura.

LEIA MAIS : A epidemia de inadimplência: 63 milhões de brasileiros

Já a taxa de juros da modalidade rotativo não regular fechou 2019 em 339,6% ao ano. Em 2018, estava em 297,7% ao ano. O rotativo não regular inclui as operações nas quais o pagamento mínimo da fatura não foi realizado. No caso do parcelado, ainda dentro de cartão de crédito, o juro passou para 176,0% ao ano no fim de 2019. Um ano antes, estava em 158,9% ao ano.

Considerando o juro total do cartão de crédito, que leva em conta operações do rotativo e do parcelado, a taxa ficou em 65,9% no fim de 2019, ante 56,9% no encerramento de 2018.

Em abril de 2017, começou a valer a regra que obriga os bancos a transferir, após um mês, a dívida do rotativo do cartão de crédito para o parcelado, a juros mais baixos. A intenção do governo com a nova regra era permitir que a taxa de juros para o rotativo do cartão de crédito recuasse, já que o risco de inadimplência, em tese, cai com a migração para o parcelado.

CRÉDITO LIVRE

A taxa média de juros no crédito livre caiu de 36,1% ao ano em novembro para 34,0% ao ano em dezembro de 2019. Em dezembro de 2018, essa taxa estava em 35,6% ao ano. Para pessoa física, a taxa média de juros no crédito livre passou de 50,1% para 47,3% ao ano de novembro para dezembro, enquanto para pessoa jurídica foi de 17,3% para 16,5% ao ano.

Entre as principais linhas de crédito livre para a pessoa física, destaque para o cheque especial, cuja taxa passou de 306,6% ao ano para 302,5% ao ano de novembro para dezembro.

No crédito pessoal, a taxa passou de 38,8% para 36,7% ao ano. Desde julho de 2018, os bancos estão oferecendo um parcelamento para dívidas no cheque especial. A opção vale para débitos superiores a R$ 200. A expectativa da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) era de que essa migração do cheque especial para linhas mais baratas acelerasse a tendência de queda do juro cobrado ao consumidor.

Em junho de 2018, antes do início da nova dinâmica, a taxa do cheque especial estava em 304,9% ao ano. Em função da ineficácia da autorregulação da Febraban, o BC anunciou a limitação dos juros do cheque especial em 8% ao ano (151,82% ao ano). A nova regra começou a valer em 6 de janeiro de 2020.

Os dados divulgados nesta quarta-feira ainda não refletem a nova dinâmica. Os números divulgados pelo Banco Central mostraram ainda que, para aquisição de veículos, os juros foram de 19,3% ao ano em novembro para 19,2% em dezembro. A taxa média de juros no crédito total, que inclui operações livres e direcionadas (com recursos da poupança e do BNDES), foi de 23,9% ao ano em novembro para 23,0% ao ano em dezembro. Em dezembro de 2018, estava em 23,2%. 

CUSTO DO CRÉDITO

Já o Indicador de Custo de Crédito (ICC) caiu 0,5 ponto porcentual em dezembro ante novembro, aos 20,4% ao ano. O porcentual reflete o volume de juros pagos, em reais, por consumidores e empresas no mês, considerando todo o estoque de operações, dividido pelo próprio estoque.

Na prática, o indicador reflete a taxa de juros média efetivamente paga pelo brasileiro nas operações de crédito contratadas no passado e ainda em andamento. 

SPREAD

O spread bancário médio no crédito livre passou de 30,6 pontos porcentuais em novembro para 28,5 pontos porcentuais em dezembro de 2019, informou o Banco Central. Em dezembro de 2018, o spread estava em 27,8 pontos porcentuais.

O spread médio da pessoa física no crédito livre foi de 44,3 para 41,5 pontos porcentuais em dezembro. Para pessoa jurídica, o spread médio passou de 12,1 para 11,3 pontos porcentuais. O spread médio do crédito direcionado foi de 4,1 para 4,3 pontos porcentuais no período. Já o spread médio no crédito total (livre e direcionado) foi de 19,3 para 18,4 pontos porcentuais. 

CONCESSÕES

As concessões no crédito livre subiram 14,7% em 2019 em relação a 2018, para R$ 397,0 bilhões, informou o Banco Central. Houve avanço de 18,1% em dezembro ante novembro. No crédito para pessoas físicas, as concessões subiram 15,5% em 2019, para R$ 206,1 bilhões. Em dezembro, houve alta de 8,1%. Já no caso de pessoas jurídicas, as concessões subiram 13,6% em 2019, para R$ 190,9 bilhões. Em dezembro, o avanço foi de 31,4%. 

INADIMPLÊNCIA

A taxa de inadimplência no crédito livre foi de 3,8% para 3,7% na passagem de novembro para dezembro de 2019, informou o Banco Central. Em dezembro de 2018, a taxa estava em 3,8%. Para pessoa física, a taxa de inadimplência seguiu em 5,0%. Para as empresas, a taxa passou de 2,4% para 2,1%.

A inadimplência do crédito direcionado seguiu em 1,9% na passagem de novembro para dezembro. Já o dado que considera o crédito livre mais o direcionado mostra que a taxa de inadimplência foi de 3,0% para 2,9%. 

ENDIVIDAMENTO

O endividamento das famílias brasileiras com o sistema financeiro ficou em 44,9% em novembro, ante 44,7% em outubro. Se forem descontadas as dívidas imobiliárias, o endividamento ficou em 26,3% em novembro, ante 26,2% em outubro.

O cálculo do BC leva em conta o total das dívidas dividido pela renda no período de 12 meses. Além disso, incorpora os dados da Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar (Pnad) contínua e da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), ambas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o BC, o comprometimento de renda das famílias com o Sistema Financeiro Nacional (SFN) atingiu 20,9% em novembro, ante 20,7% em outubro. Descontados os empréstimos imobiliários, o comprometimento da renda ficou em 18,6% em novembro, ante 18,5% em outubro.

 

IMAGEM: Pixabay