Finanças

Investidor brasileiro é o que espera maior ganho de aplicação


Brasileiro espera, em média, um retorno de 9,2% ao ano de seus investimentos - ligeiramente acima da expectativa de chineses (9,1%) e mexicanos (9%), de acordo com Legg Mason


  Por Estadão Conteúdo 29 de Outubro de 2018 às 14:17

  | Agência de notícias do Grupo Estado


Apesar do baixo patamar atual, o histórico de juros altos no País tornou o investidor brasileiro ambicioso.

Um levantamento realizado em 17 países mostra que o brasileiro é o que espera maior ganho de suas aplicações financeiras. O retorno, porém, nem sempre corresponde às expectativas: o País é o que apresenta uma das maiores diferenças entre a rentabilidade desejada e a obtida.

Pesquisa realizada pela gestora de recursos Legg Mason aponta que o brasileiro espera, em média, um retorno de 9,2% ao ano de seus investimentos - ligeiramente acima da expectativa de chineses (9,1%) e mexicanos (9%).

Porém, o retorno médio obtido é de 7,2% - quase dois pontos porcentuais mais baixo. É a segunda maior lacuna entre os 17 países pesquisados, atrás apenas do Japão, cuja diferença entre retorno almejado e recebido é de 2,2 pontos. A expectativa média global, segundo a pesquisa, é de ganhos de 7,4% ao ano, com retorno médio de 6,1%.

"Esse porcentual alto de rentabilidade desejada no Brasil tem muito a ver com a 'memória' de juros altos, no patamar de dois dígitos, que garantiam bons retornos sem riscos", diz Roberto Teperman, diretor de vendas da Legg Mason.

Ele lembra que, em outubro de 2016, o Banco Central deu início a uma sequência de cortes na taxa básica de juros, a Selic, que saiu de 14,25% para 6,5% ao ano em março deste ano - menor patamar histórico.

William Eid, coordenador do centro de finanças da Fundação Getúlio Vargas (FGV), afirma que essa ambição "tem muito a ver com o famoso 1% ao mês".

"Antes, qualquer investimento rendia 1% ao mês; qualquer fundo de renda fixa, por exemplo. Era só sair da poupança", diz.

"O retorno médio recebido agora pelos brasileiros está em torno de 110% do CDI (taxa que anda de mãos dadas com a Selic)", diz.

"O investidor percebeu nos últimos tempos que, para o mesmo retorno de antes, teria de correr um pouco mais de risco - e nesse movimento, vimos alguma migração, ainda que pequena, para (fundos) multimercado e Bolsa."

Para a pesquisa, a Legg Marson ouviu mil investidores brasileiros entre os dias 26 de julho e 24 de agosto. Os entrevistados estão comprometidos a investir pelo menos R$ 50 mil nos próximos 12 meses e também fizeram modificações em suas aplicações nos últimos cinco anos.

A Legg Mason gerencia mais de US$ 750 bilhões em ativos, de investidores de 17 países. No Brasil, também está presente por meio da subsidiária Western Asset, que administra R$ 42 bilhões.

ZONA DE CONFORTO 

Apesar de almejar rentabilidade mais alta na comparação com outros países e ter flertado um pouco mais com o risco nos últimos tempo, o brasileiro ainda está longe de sair da zona de conforto da renda fixa, opina Eid, da FGV.

"Ao estudarmos finanças comportamentais, vemos que o brasileiro está interessado principalmente em proteger o seu patrimônio, em estabilidade, e não em retorno", diz o professor. Ele evita ao máximo correr riscos - por isso adora tanto de um tijolo (referindo-se a imóveis) e continua em boa parte na poupança", diz Eid.

Isso também é observado na pesquisa da Legg Mason. Apesar de o estudo focar em investidores mais sofisticados - que pretendem investir R$ 50 mil em 12 meses -, as modalidades mais presentes nos portfólios são renda fixa (68%), poupança (61%), renda variável (49%) e imóveis (48%).

Outro dado interessante, pontua Teperman, é que 39% dos investidores pretendem começar a investir fora do Brasil no próximo ano. 

FOTO: Pixabay