Finanças

Interesse do investidor no Brasil vai surpreender em 12 meses


Avaliação do Itaú BBA é que apesar da situação econômica e os desafios, o capital estrangeiro está vendo oportunidades no país


  Por Estadão Conteúdo 22 de Agosto de 2016 às 17:06

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


O interesse dos investidores no Brasil está bastante forte e deverá continuar dessa forma nos próximos seis a 12 meses, disse o diretor executivo responsável por Corporate e de Banco de Investimento do Itaú BBA, Christian Egan. 

Segundo ele, das fusões e aquisições cerca de 50% das operações foram "cross border", ou seja, com estrangeiros investindo no Brasil.

De janeiro a julho, as fusões e aquisições somaram US$ 20,6 bilhões, em um total de 52 operações, de acordo com levantamento feito pela instituição financeira.

O executivo disse que esse mercado está forte no Brasil. Nesse contexto, citou as operações de fusão entre BM&FBovespa e Cetip e Kroton e Estácio.

LEIA MAIS:Brasil deve ficar atento a eventuais crises externas

"Apesar da situação econômica e os desafios no Brasil, o capital estrangeiro está vendo oportunidades no país", disse o diretor nesta segunda-feira (22/08) em almoço com a imprensa.

O executivo afirmou ainda que os investidores estão aproveitando eventos de liquidez no mercado para recompor seus portfólios.

O Itaú BBA espera que o segundo semestre seja ativo para o mercado de renda variável, estimando de R$ 5 bilhões a R$ 10 bilhões em operações de abertura de capital na bolsa (oferta pública inicial ou IPO, na sigla em inglês) e ofertas subsequentes (follow on) com participação da instituição.

"Fomos surpreendidos com fluxo de investidores estrangeiros para mercados emergentes superior ao esperado", disse Egan.

Segundo ele, o mercado vai surpreender nos próximos seis a 12 meses, com empresas mais preparadas para utilizar o mercado de ações, assim como os estrangeiros entendendo ser esta uma opção para investimento.

LEIA MAIS:Estimativa para o crescimento da economia é de 1,2% em 2017

Egan citou ainda que algumas companhias, tendo em vista o alto custo e baixa oferta de recursos no mercado de dívida, buscarão substituir essa forma de captação pela bolsa.

O diretor espera que essa melhora no mercado de ações somada à atividade no mercado de fusões e aquisições se reflita nas receitas com fee (taxa que remunera o banco).

"De maio para frente deste ano vimos boa melhora em fee, especialmente em junho e julho, e acreditamos que o pipeline (carteira) no próximos quatro a 12 meses será saudável e estamos projetando uma melhora em relação a 2015", destacou.

Neste ano, o mercado brasileiro foi palco de algumas operações de ofertas subsequentes, como de CVC e Energisa, mas nenhuma abertura de capital. O último IPO no Brasil ocorreu em junho do ano passado.

MERCADO DE DÍVIDA

Novos nomes devem surgir no mercado de dívida externa a partir de setembro, afirmou o diretor de Renda Fixa e Project Finance do Itaú BBA, Felipe Wilberg.

Nesse grupo, de acordo com ele, estarão empresas que se financiavam no mercado local, junto a bancos comerciais e com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

"No começo de setembro veremos novas captações no mercado de dívida externo, possivelmente incluindo novos nomes, que não são tradicionais e que se financiavam no mercado local, com bancos e BNDES", afirmou.

Segundo ele, esses investidores estão em busca de prazo mais longo, como alternativa.

De acordo com Wilberg, as operações de emissão de dívida de empresas no exterior devem alcançar até 30 anos, dependendo do nome, aproveitando o ambiente global de juro baixo e forte apetite dos investidores por retorno.

"O Brasil está melhorando muito no relativo, dado os efeitos internacionais", acrescentou, citando o fato de que o contrato de proteção de calote do Brasil, o Credit Default Swap, está em níveis não vistos há mais de um ano.

De toda forma, Wilberg afirmou ainda que os investidores institucionais estão mais confortáveis com títulos de crédito do Brasil.

LIQUIDEZ NOS MERCADOS GLOBAIS

O Brasil foi beneficiado pela busca por ativos com retornos maiores e também pela elevada liquidez nos mercados globais, com consequências positivas para o fluxo para o país, segundo Egan. 

"Rendimento alto com liquidez elevada é uma combinação poderosa", afirmou o diretor.

Wilberg acrescentou que o contrato de proteção contra calote do Brasil melhorou 100 pontos-base em relação ao contrato de outros emergentes, mas que ainda faltam cerca de 40 pontos-base para o contrato se alinhar a outros países emergentes comparáveis

LEIA MAIS:Brasil continua atraente para o investidor estrangeiro 

Egan acrescentou que os registros de fluxo recentes mostram que o investidor não está escolhendo o Brasil, mas que o país é beneficiado pelo movimento. 

O diretor do Itaú BBA Corretora, Carlos Constantini, destacou que até o momento o investidor alocou de modo passivo. "Tem muito por vir do investidor ativo e nossa premissa é de que nossa agenda deve ser positiva em reformas e desempenho da economia", disse.

FOTO: Thinkstock