Finanças

FAT deve financiar capital de giro de pequenos negócios


A medida foi anunciada pelo presidente do Sebrae, Guilherme Afif. Ele disse que o recurso dará maior fôlego às micro e pequenas empresas nesse momento de crise


  Por Agência Sebrae 06 de Junho de 2016 às 19:16

  | Informações do Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena empresa


O presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos,  anunciou nesta segunda-feira, 6/06, duas iniciativas que acontecerão na região do Grande ABC.

Durante o 1º Feirão de Crédito do Grande ABC, no dia 17 de junho, o Sebrae realizará a primeira ação no país a fim de viabilizar os recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para capital de giro dos pequenos negócios – aqueles que faturam até R$ 3,6 milhões ao ano –, o chamado de Projeto Travessia. 

Em uma data posterior, o Sebrae  lançará o Super MEI, destinado à capacitação de microempreendedores individuais (MEI) que perderam seus empregos.

LEIA MAIS: Vem aí o Super MEI

“Esses recursos do FAT foram reorientados pelo Ministério do Trabalho para oferecer capital de giro para as micro e pequenas empresas, que são as grandes empregadoras em massa no país. Chamamos de Projeto Travessia, pois os recursos são destinados a oxigenar empresas para que elas possam superar esse momento de crise”, disse o presidente do Sebrae.

Ele lembrou das dificuldades enfrentadas pelos pequenos negócios para tomar crédito dentro do sistema financeiro. De acordo com Afif, a partir do modelo desenvolvido em conjunto com o Sebrae em São Paulo, a ação será levada para outras partes do Brasil. 

O presidente do Sebrae ressaltou que a tomada de crédito exigirá reciprocidade social por parte dos empresários, que deverão manter o nível de emprego em seus negócios por pelo menos um ano e, no caso de empresas com mais de dez funcionários, contratar menores aprendizes. 

No total, serão R$ 5 bilhões oferecidos nessa linha de crédito, sendo pelo menos 30% destinados a microempresas, que faturam até R$ 360 mil por ano. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) disponibilizará R$ 3 milhões e o restante ficará a cargo do Banco do Brasil.

As taxas de juros vão variar de 17,5% a 19,8% ao ano, abaixo das taxas cobradas habitualmente pelos bancos para essa operação. De acordo com Afif, o fundo de aval do Sebrae, que hoje soma R$ 700 milhões, poderá ser usado para avalizar as operações.

Nesses casos, explicou, serão créditos orientados, já que as empresas terão passado por consultoria e o crivo do Sebrae.

O 1º Feirão de Crédito do Grande ABC acontecerá na cidade de Santo André, promovido pelo Consórcio Intermunicipal do Grande ABC e a Agência de Desenvolvimento do Grande ABC, com o apoio do Sebrae Nacional e do Sebrae em São Paulo. O evento será destinado aos pequenos negócios das sete cidades da região, que somam 95% das empresas locais.

SUPER MEI

Afif falou também sobre o lançamento do Super MEI, que são cursos gratuitos destinados à requalificação de trabalhadores que estão desempregados ou em lay off (com suspensão do contrato de trabalho), realizados em conjunto com o Senai, Senac e a Fundação Paula Souza. 

“Promoveremos cursos de reorientação desses profissionais para o caminho do empreendedorismo. Muitos deles saem do emprego com capital oriundo de indenizações e, nessa crise, existe a oportunidade de ele se tornar empreendedor. O nosso papel é viabilizar esse sonho”, disse o presidente. Os cursos serão promovidos pelo Sebrae.

FOTO: Agência Brasil