Finanças

Dívidas com cartão e boleto são as mais renegociadas


Mais de 60% dos consumidores que compareceram ao "Acertando suas contas", da Boa Vista SCPC, tinham essa intenção. Evento acaba amanhã, 3 de dezembro


  Por Redação DC 02 de Dezembro de 2016 às 18:41

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


A maioria (60%) dos consumidores que compareceu ao mutirão “Acertando suas Contas”, da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), na cidade de São Paulo, com a intenção de negociar suas dúvidas, buscou a renegociação do débito causado pelo cartão de crédito.

A constatação é de um levantamento realizado no próprio local pela Boa Vista SCPC, que vem realizando o evento no centro de São Paulo desde 25 de novembro até amanhã, sábado, 3 de dezembro. 

Nos seis primeiros dias, 14 mil pessoas puderam renegociar suas dívidas, obter o guia para economizar em tempos de crise e ainda participar de palestras de educação financeira.

LEIA MAIS:72% dos brasileiros vão usar o 13º para pagar dívidas

O fluxo de consumidores pode ser atribuído, entre outros fatores, à inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo.

A Boa Vista SCPC informou nesta quinta-feira (01/12) que esse indicador cresceu 1,8% no acumulado do ano (de janeiro a outubro).

De acordo com o levantamento, 23% dos que compareceram ao mutirão nos primeiros dias ficaram inadimplentes por problemas no pagamento de boleto e carnê.

Entre que se endividaram por não pagamento de boleto, 60% deixaram de saldar seus compromissos referentes a telefone, TV por assinatura e serviços de internet, enquanto 16% não pagaram mensalidades escolares.

LEIA MAIS:84% dos consumidores pretendem evitar o crédito

Outros 13% não saldaram a conta de celular, e 8% de telefone fixo. Já os 35% que ficaram inadimplentes por causa do carnê não conseguiram pagar compras de móveis e eletrodomésticos.

A maior fatia (82%) dos consumidores foi ao mutirão para negociar valor ou juros da dívida e 8% compareceram para tentar conseguir maior prazo para pagamento.

Além disso, 48% disseram que a restrição ao nome aconteceu em consequência do desemprego, enquanto 30% atribuíram a inadimplência ao descontrole financeiro, e 7% emprestaram o nome a terceiros. Outros 55% tinham apenas uma dívida a renegociar.

PERFIL DO CONSUMIDOR

O levantamento da Boa Vista SCPC revela que a maioria dos consumidores que foi ao mutirão é da classe DE (67%), tem carteira de trabalho assinada (56%) e idade entre 25 e 34 anos (34%).

Entre eles, 31% se deslocaram da Zona Sul para o Centro de São Paulo, local onde acontece o mutirão, enquanto 20% são das Zonas Norte e Leste. Houve equilíbrio entre os gêneros (55% de homens e 45% de mulheres), e entre consumidores casados (42%) e solteiros (41%).

Foto: Divulgação/Boa Vista SCPC