Finanças

Dívida dos paulistanos chega a 60,5% em novembro


Com a liberação do crédito pelas instituições financeiras, os consumidores voltaram a comprar, inclusive, ampliando os gastos para bens duráveis. O cenário explica o aumento do uso do cartão


  Por Estadão Conteúdo 13 de Dezembro de 2019 às 12:46

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


O endividamento na capital paulista atingiu 60,5% dos lares em novembro, registrando mais um recorde histórico, com o maior nível desde 2010. O resultado significa que 2,38 milhões de famílias permanecem com algum tipo de dívida. Os dados são da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), divulgada nesta sexta-feira (13).

Em relação ao mesmo período de 2018, o levantamento mostra que houve alta de nove pontos percentuais. Na comparação com outubro, a elevação foi de 0,7 ponto percentual.

Apesar da expansão do nível de endividamento, a inadimplência caiu, passando de 22,8% em outubro para os atuais 21,9%. A dificuldade de pagar contas atrasadas ainda está, no entanto, mais alta do que em novembro do ano passado e atinge 862 mil famílias.

O principal tipo de dívida das famílias continua sendo o cartão de crédito (75,5%). Na segunda posição, ficaram os carnês (13,8%), seguidos pelo financiamento de casa (10,9%) e financiamento de carro (10,4%), com praticamente o mesmo percentual.

Segundo a FecomercioSP, com o retorno da liberação de recursos pelas instituições financeiras, os consumidores voltaram a comprar no crédito, inclusive, ampliando os gastos para bens duráveis. O cenário explica o aumento do uso do cartão e do endividamento em novembro mas, para a instituição, o dado é positivo já que revela movimento da economia e queda na inadimplência.

A pesquisa ainda mostrou que 12% dos entrevistados afirmaram que pretendem obter algum tipo de crédito nos próximos três meses. O dinheiro, segundo pesquisados, será destinado principalmente para a aquisição de produtos (17,6%). Apenas 10,9% disseram que usarão o dinheiro para pagar dívidas.

Para a Federação, com o mercado de trabalho mais aquecido, juros reduzidos e inflação controlada, o parcelamento sem juros se torna uma ótima opção de pagamento, pois o consumidor não precisa se desfazer do seu dinheiro para quitar o produto ou serviço no ato. A recomendação da FecomercioSP é para que os comerciantes pesquisem quais máquinas de cartão são mais vantajosas diante desse cenário e ajudam a melhorar o giro do fluxo de caixa.

Na visão da entidade, a tendência é de que com o bom desempenho da economia, o crédito continue em expansão. O resultado deve ser a manutenção do endividamento e redução da inadimplência.

A PEIC é apurada mensalmente pela FecomercioSP desde fevereiro de 2004. São entrevistados aproximadamente 2,2 mil consumidores na capital paulista. O objetivo da pesquisa é diagnosticar o nível de endividamento e de inadimplência do consumidor.