Finanças

Caixa abre linha crédito de R$ 500 mi para varejo


Os recursos, disponíveis a partir desta sexta-feira nas agências do banco, serão destinados a capital de giro e a investimentos de pequenos e microempresários


  Por Estadão Conteúdo 10 de Novembro de 2017 às 08:26

  | Agência de notícias do Grupo Estado


A Caixa fechou ontem uma parceria com a Associação de Lojistas de Shoppings (Alshop) para oferecer uma linha de crédito de R$ 500 milhões com condições diferenciadas para os lojistas ligados à entidade.

Os recursos, disponíveis a partir de hoje nas agências do banco, serão destinados a capital de giro e a investimentos de pequenos e microempresários, que são a maioria dos lojistas de shoppings.

Recente pesquisa da Serasa Experian revelou que há no País 4,8 milhões pequenas e microempresas inadimplentes.

"Num primeiro momento serão ofertados R$ 500 milhões", diz o gerente nacional de estratégia de cientes da Caixa, Daniel José Ferraz dos Santos.

Segundo ele, o momento é oportuno para oferecer essa linha de crédito porque os lojistas estão às vésperas do pagamento do 13.º salário do funcionários, numa fase em que o varejo ainda dá sinais de recuperação.

Os juros cobrados nos empréstimos destinados a capital de giro são de 0,83% ao mês, ante uma média de 2% do mercado. Os prazos são mais longos: 60 meses, ante 24 meses.

"O convênio vai facilitar o acesso dos lojistas aos recursos", destaca o diretor de internacionalização e franquias da Alshop, Ricardo Camargo. Ele conta que a Alshop negocia linhas de crédito semelhantes com o Santander e o Bradesco. A entidade reúne 54 mil lojistas.

LEIA MAIS: Na hora de emprestar, bancos ignoram pequenos empresários

Santos explica que os recursos para essa linha de crédito virão do PIS (Programa de Integração Social), do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), gerido pelo BNDES, além do próprio banco.

Sob o risco de descumprimento das regras internacionais do sistema financeiro de proteção a crises (acordo de Basileia), a Caixa vem negociando com o governo nas últimas semanas, uma alternativa para elevar sua capacidade de concessão de créditos sem necessidade de aporte do Tesouro Nacional.

IMAGEM: Thinkstock