Finanças

Cai o número de famílias endividadas na capital paulista


Recuo foi de 1,1 ponto percentual em junho sobre maio, segundo a FecomercioSP


  Por Agência Brasil 12 de Julho de 2016 às 17:17

  | Agência de notícias da Empresa Brasileira de Comunicação.


Em junho, o total de famílias endividadas caiu 1,1 ponto percentual ante maio - o que significa que 49% das famílias da capital paulista tiveram algum tipo de dívida no mês.

Comparada a igual mês de 2015, a queda foi de 5 pontos percentuais, passando de 1,925 milhão de famílias em maio para 1,880 milhão em junho. 

Os dados são da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

LEIA MAIS:Intenção de consumo das famílias cai novamente em junho

De acordo com o levantamento, o endividamento continua maior entre as famílias com renda inferior a 10 salários mínimos (51,6%), mas houve queda de 2,2 pontos percentuais na comparação com maio.

Já entre as famílias que recebem mais de dez salários, a parcela de endividados foi de 41,2%, alta de 1,5 ponto percentual ante o mês anterior

A pesquisa revelou ainda que 40,3% das famílias têm sua renda comprometida com dívidas por mais de um ano, ante 36,7% em junho do ano passado.

Outras 20,1% têm débitos com prazos de até três meses (20,5% em junho de 2015), 20,4% entre três a seis meses (19,8% em junho de 2015) e 17,2% entre seis meses e um ano (19,4% em junho de 2015).

As famílias com as contas atrasadas em junho chegaram a 17,6% - uma queda de 1,2 ponto percentual em relação ao mês anterior. Na comparação com igual período do ano passado, houve alta de 2,4 pontos percentuais.

LEIA MAIS: Racional, consumidor vive movimento de volta ao lar

Entre as inadimplentes, 50,3% afirmaram ter débitos vencidos há mais de 90 dias, 22,9% têm compromissos atrasados entre 30 e 90 dias e 25,9% até 30 dias.

Entre as que ganham até 10 salários mínimos, a inadimplência ficou em 20,3%, uma queda de 2,2 pontos percentuais ante maio. Já entre aquelas que ganham mais de 10 salários mínimos, 10,7% afirmaram ter dívidas vencidas em junho, um recuo de 0,8 ponto percentual comparado ao mês anterior.

Em junho, 7,2% das famílias disseram que não teriam condições de pagar total ou parcialmente suas contas no mês seguinte. 

CARTÃO DE CRÉDITO

O cartão de crédito foi o principal meio de financiamento das famílias, usado por 73% dos devedores em junho, informou a pesquisa da FecomercioSP. Em seguida, vêm o financiamento de automóvel (15%), carnês e financiamento imobiliário (ambos com 14,3%), crédito pessoal (14%) e cheque especial (10,9%).

LEIA MAIS:Trauma: consumidor inadimplente não quer mais ir às compras

Na comparação com igual mês do ano passado, houve aumento de 2,1 pontos percentuais na proporção de famílias endividadas no cartão, e de 3,1 pontos percentuais no cheque especial. Também houve alta na parcela de endividados no crédito pessoal (1,7 ponto percentual) e no crédito consignado (1,3 ponto percentual). 

Segundo a assessoria econômica da FecomercioSP, as famílias com menor renda sentem mais os efeitos da crise econômica e, para essa faixa da população, que já vive com o orçamento mais apertado e precisa do crédito para alavancar seu padrão de consumo, qualquer imprevisto pode desequilibrar as finanças e levar à inadimplência.

Foto: Thinkstock