Finanças

BC libera informações financeiras para empresas pela internet


Pessoas jurídicas podem extrair relatórios sobre os próprios dados de forma segura, pela internet


  Por Agência Brasil 16 de Maio de 2016 às 17:02

  | Agência de notícias da Empresa Brasileira de Comunicação.


O acesso ao Registrato - Extrato do Registro de Informações no Banco Central, disponibilizado até agora para pessoas físicas, foi ampliado para empresas. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (16/05) pelo diretor de Fiscalização do Banco Central, Anthero de Moraes Meirelles, na abertura da Semana Nacional de Educação Financeira, na sede da instituição, em Brasília.

De acordo com o BC, o sistema agora permite que pessoas jurídicas também extraiam relatórios sobre suas informações financeiras de forma segura e rápida, pela internet, sem precisar se deslocar às representações do banco.

As empresas poderão utilizar o Registrato para obter informações sobre  seus relacionamentos com instituições financeiras presentes no Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro (CCS) e sobre suas operações de crédito, por meio do Sistema de Informações de Crédito (SCR).

Lançado em novembro de 2014, o Registrato é um dos principais sistemas de atendimento ao público do BC e permitiu que o volume de relatórios entregues aos cidadãos evoluísse de 30,3 mil em 2013 para 157,7 mil relatórios em 2015 e 63,2 mil este ano, até abril. A nova página do Registrato pode ser acessada neste link

A 3ª Semana Nacional de Educação Financeira ocorre até o dia 22 de maio com centenas de iniciativas de educação financeira gratuitas em todo o país. Com o evento, o BC pretende promover a Estratégia Nacional de Educação Financeira (ENEF), instituída em 2010 como política de Estado, de caráter permanente, para contribuir para o fortalecimento da cidadania ao fornecer e apoiar ações que ajudem a população a tomar decisões financeiras mais autônomas e consciente.

Segundo Meirelles, a inclusão financeira adequeda da população contribui para a redução da pobreza e para o fortalecimento da atividade econômica.

FOTO: Thinkstock