Finanças

BB prevê desembolsar R$ 1,5 bi para microempreendedores


Linha de microcrédito poderá ser contratada para diferentes finalidades, como capital de giro e investimentos


  Por Estadão Conteúdo 28 de Julho de 2015 às 17:49

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


O Banco do Brasil (BB) pretende desembolsar R$ 1,5 bilhão em crédito para empreendedores informais e individuais e micro e pequenas empresas em 2015. 

Os recursos da linha de microcrédito do banco público podem ser usados como capital de giro e investimentos em pequenos negócios.

LEIA MAIS:A queda de braço entre bancos e pequenas empresas

Em 2014, o BB liberou R$ 2,1 bilhões em microcrédito, sendo 66% apenas no segundo semestre. 
Neste ano, os desembolsos nos primeiros seis meses somaram R$ 570 milhões, mas a expectativa é que, até dezembro, seja liberada uma parcela de mais R$ 1 bilhão. 

Desde o lançamento da modalidade, em setembro de 2011, foram concedidos R$ 5 bilhões pelo BB a 1,6 milhão de pequenos negócios.

"Muitos aproveitam a crise para empreender. O diferencial é a orientação que o tomador do crédito recebe, para que possa gerir melhor o seu negócio", afirma Asclepius Ramatiz Lopes Soares, diretor-geral da Unidade de Negócios Sociais e Desenvolvimento Sustentável do BB. 

LEIA MAIS:6 erros que o empreendedor deve evitar ao cuidar das finanças
 

A linha faz parte do Programa Crescer de Microcrédito Produtivo Orientado, do governo federal, voltado a microempreendedores e microempresas com faturamento de até R$ 120 mil por ano. 

No Brasil, o microcrédito ainda está concentrado nos bancos estatais e tem participação pequena no total de empréstimos e financiamentos.

Além da força dos pequenos negócios, mesmo em meio à crise por que passa a economia brasileira, o BB conta com a Movera, empresa especializada na oferta de microcrédito produtivo orientado, para bater a meta de R$ 1,5 bilhão em desembolsos.

A Movera tem 70 agentes que prospectam novas oportunidades para o segmento nas regiões metropolitanas de São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul, Ceará, Pará, Paraíba, Maranhão e no Distrito Federal.

A taxa desse empréstimo é de 2,8% ao mês e há isenção de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). O empréstimo pode ser quitado em até um ano e meio. 

LEIA MAIS:Atenção, empresários: disparam os juros do cheque especial e do cartão