Especial

Guia para reabertura do comércio / tributação


Impostos postergados terão de ser pagos lá na frente; esteja preparado


  Por Renato Carbonari Ibelli 11 de Maio de 2020 às 07:00

  | Editor ibelli.dc@gmail.com


Para dar fôlego financeiro às empresas nesse período de crise, o governo federal adiou o recolhimento de alguns tributos. Foi um alívio temporário, que pode se tornar um grande peso mais à frente caso o empresário não planeje bem o retorno às atividades.

Welinton Mota, diretor tributário da consultoria Confirp, reforça que os pagamentos de alguns tributos foram postergados, e não cancelados. “Mais à frente a empresa terá de pagar em um mesmo mês duas parcelas do mesmo imposto”, diz Mota.

O Pis/Cofins de março, por exemplo, foi adiado para julho. Assim, quando estivermos em julho, as empresas terão de pagar as parcelas do mês de junho e a de março.

O mesmo raciocínio vale para o ICMS e ISS do Simples Nacional de abril, maio e junho, postergados, respectivamente, para julho, agosto e setembro. E também para os depósitos do FGTS de março, abril e maio, que precisarão ser pagos a partir de julho.

Lá na frente, quem não tiver provisões, terá problemas. Do ponto de vista fiscal e tributário, confira algumas dicas do diretor da Confirp para não se complicar com o acumulo de impostos: 

 

CONFIRA MAIS DICAS NOS LINKS ABAIXO:

 

 

 

 

  

 

 

 

 





Publicidade





Publicidade





Publicidade