Economia

|VÍDEO|Temos que combater o velho patrimonialismo, diz Zeina Latif


Em entrevista à série Brasil em Xeque, a economista relembra os erros que levaram o país para a crise e sugere algumas saídas


  Por Redação DC 12 de Janeiro de 2018 às 08:00

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


“Acredito que vamos nos surpreender com a capacidade de reação do país à medida que avançam os acertos da política econômica”, afirma a economista Zeina Latif.

Mas para o Brasil voltar a crescer será preciso abandonar vícios do passado. “Temos que combater aquele velho patrimonialismo, que prega que uma ida a Brasília vale mais do que cuidar do próprio negócio. Temos de romper com esse modelo, o que de quebra vai reduzir a corrupção”, diz.

Zeina foi entrevistada para a série Brasil em Xeque, realizada pelo Instituto Panthéon Jurídico juntamente com o Diário do Comércio.

VEJA TAMBÉM: Por aqui corre a ideia de que lucro é algo pecaminoso

Além do fim do patrimonialismo nas relações políticas, Zeina cita outras dificuldades que deverão ser enfrentadas para que o Brasil volte aos eixos. Uma delas é resgatar a produtividade do país, que está estagnada em patamar baixo desde a década de 1980.

Segundo a economista, esse problema sempre foi compensado por meio do bônus demográfico, ou seja, com mais pessoas disponíveis para trabalhar. Mas com o envelhecimento da população, esse bônus está indo embora.

Além disso, ela lembra as dificuldades do governo para realizar o ajuste fiscal sem aumentar tributos. “Esses são os dois maiores desafios do país nos próximos anos.”

A despeito dos problemas, a economista acredita que o país deixará a crise mais fortalecido. Segundo ela, já é palpável o amadurecimento da população e, principalmente, das instituições. “Tanto que temos hoje a Lava Jato e toda essa autonomia para as investigações.”

Assista à entrevista com Zeina Latif:

FOTO: Reprodução