Economia

Vendas crescem 2,6% no varejo paulistano em janeiro


Segundo Alencar Burti, presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), vestuários e itens domésticos foram os destaques das vendas nesse início de ano


  Por Redação DC 01 de Fevereiro de 2019 às 17:23

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


O movimento de vendas do comércio paulistano cresceu em média 2,6% em janeiro na comparação com o mesmo mês do ano passado. Houve alta tanto nas comercializações a prazo (0,4%) quanto à vista (4,8%). Os dados são do Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

“Os itens de vestuário e os bens de menor valor, aqueles para uso doméstico ou pessoal, foram os responsáveis por segurar o comércio em janeiro. É um ritmo ainda moderado, na esteira das férias escolares, mas espera-se que ele acelere ao longo do ano”, diz Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais de São Paulo (Facesp).

De acordo com Burti, as vendas a prazo cresceram menos por causa dos juros – que variaram pouco entre janeiro de 2018 e este – e do dólar, que valorizou 15% no período, o que prejudica as importações.

“Além disso, pode-se aventar a possibilidade da Black Friday ter não apenas tirado vendas do Natal, mas também inibido as liquidações de começo de ano, que em 2019 não aconteceram”, diz. “Os únicos eletrodomésticos que tiveram bom desempenho foram ventiladores e aparelhos de ar-condicionado, em razão do calor”, complementa.

Como comparação, em janeiro de 2018, as vendas a prazo haviam subido mais do que as vendas à vista (6,8% e 2,5%, respectivamente, frente ao mesmo mês de 2017). 

VARIAÇÃO MENSAL

Na comparação com dezembro, o movimento do varejo da capital registrou recuo médio de 37,5%, sendo -28,1% nas vendas a prazo e -46,8% nas comercializações à vista.

“Trata-se de uma queda sazonal, dentro da média dos últimos três anos, visto que dezembro é o mês do Natal, data mais importante para o comércio”, diz Burti.

O Balanço de Vendas é elaborado pelo Instituto de Economia da ACSP com base em amostra da Boa Vista Serviços. 

 

IMAGEM: Thinkstock