Economia

Varejo sofre queda histórica em abril


Resultados refletem os impactos negativos da pandemia e da decorrente queda da renda e do emprego, segundo economistas da ACSP. A perspectiva para maio deverá ser similar devido à postergação da quarentena até o final de maio


  Por Instituto Gastão Vidigal 18 de Junho de 2020 às 08:45

  | Da equipe de economistas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP)


Em abril, o varejo restrito (que não inclui veículos e material de construção) registrou
queda de 16,8% sobre o mesmo mês de 2019 (ver tabela abaixo), de acordo com a Pesquisa
Mensal do Comércio (PMC), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O varejo ampliado (que incorpora todos os segmentos) mostrou recuo maior, que alcançou
27,1%. São as quedas mais acentuadas já registradas pela PMC, embora inferiores às
expectativas do mercado. Em 12 meses, os dados mensais se diluem e, por isso, ainda se
registram altas de 0,7% e 0,8%, respectivamente, ainda que menos intensas em relação à leitura
anterior.

Essa queda histórica do varejo se explica pelo fato de que abril foi o primeiro mês
completo marcado pelo fechamento de lojas, medida adotada para enfrentar a pandemia do novo
coronavírus.

Também pesou a queda na massa de rendimentos, que representa a renda auferida
no mercado de trabalho pelas famílias, e o aumento do desemprego, decorrentes da contração
da atividade econômica resultante, levando à diminuição da confiança do consumidor.

No comparativo anual, as maiores retrações ocorreram nos ramos considerados “não
essenciais”, principalmente confecções, como antecipado na pesquisa do Instituto de Economia
Gastão Vidigal da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), além de móveis e
eletrodomésticos, bens de uso pessoal, e informática.

No varejo ampliado, também houve importantes recuos nos volumes comercializados de veículos e material de construção. Somente o segmento supermercadista mostrou alta, beneficiado pelo isolamento social e pela implementação do home office.

Em síntese, os resultados de abril refletem os impactos negativos da pandemia e da decorrente queda da renda e do emprego. A perspectiva para maio deverá ser similar, devido à postergação da quarentena até o final de maio. A flexibilização gradual das medidas de isolamento social poderá gerar uma recuperação lenta das vendas, a partir de junho, que poderá se intensificar, posteriormente, pela redução da taxa de juros básica (Selic), por parte do Banco Central.