Economia

Varejo paulistano registra alta de 22,7% nas vendas de maio, diz ACSP


O resultado foi apurado em um contexto de menores restrições às atividades econômicas. No acumulado do ano, as vendas ainda registram queda de 2,1%


  Por Redação DC 03 de Junho de 2021 às 13:22

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


O varejo da capital paulista registrou aumento de 22,7% nas vendas de maio na comparação com abril, de acordo com dados da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). Embora a confiança do consumidor ainda esteja em queda, a alta aconteceu em um contexto de maior flexibilização das medidas restritivas.

É importante destacar que, na primeira metade de abril, o estado estava sob a chamada fase Emergencial do Plano São Paulo. Todo o comércio considerado não essencial foi obrigado a permanecer fechado. A liberação parcial das atividades ocorreu apenas no dia 18 de abril, e se estendeu ao longo de todo o mês de maio.

"A ampliação do horário de funcionamento de lojas, shoppings e restaurantes em todo o Estado de São Paulo contribuiu para o saldo positivo", diz o economista da ACSP, Marcel Solimeo.

Segundo a associação, o resultado de maio também teve o impulso do Dia das Mães, umas das datas mais importantes para o varejo.

A alta de 22,7% é uma média das vendas a prazo, que avançaram 10,4% na comparação com abril, e daquelas feitas à vista, que cresceram 34,9% em igual comparação. Como as vendas à vista costumam ser de menor valor, o resultado de maio sugere um consumidor mais cauteloso com os gastos.

As vendas de maio de 2021, quando confrontadas com as realizadas em igual mês de 2020, cresceram 51,1% na média. Em maio do ano passado, os governos estaduais passaram a adotar medidas de isolamento social rígidas: São Paulo entrou em quarentena e todo o comércio, exceto supermercados, farmácias e outros considerados essenciais, foram fechados.

Nesse contexto, as vendas de maio de 2020 tiveram um tombo de 67% na comparação com igual mês de 2019. Ou seja, nessa comparação, a alta significativa deste ano é explicada pela base fraca de comparação. Ainda assim, o crescimento de 51,1% não foi suficiente para recuperar as perdas do ano passado.

Na comparação com maio de 2019, as vendas registram queda de 51,4%, o que mostra que o varejo paulistano ainda precisa remar muito para chegar ao nível pré-pandemia.

No acumulado ao longo de 2021, até maio, as vendas do varejo da capital paulista registram queda de 2,1%. Em doze meses, o recuo é de 17,3%.

IMAGEM: DC






Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade




Publicidade



Publicidade




Publicidade