Economia

Vagas de emprego formal crescem entre janeiro e abril


Foram criadas 336.855 vagas no período. Para o Ministério do Trabalho, que divulgou o dado, o quadro é de otimismo


  Por Estadão Conteúdo 18 de Maio de 2018 às 14:49

  | Agência de notícias do Grupo Estado


O Brasil encerrou o primeiro quadrimestre com a criação de 336.855 vagas formais. O dado foi divulgado nesta tarde de sexta-feira, 18/05, pelo Ministério do Trabalho.

De acordo com os números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), foram criados 115.898 empregos com carteira assinada no mês passado, resultado de 1.305.225 admissões e 1.189.327 demissões. O relatório do Ministério do Trabalho nota que "quadro também é otimista se avaliados os últimos 12 meses". Entre maio de 2017 e abril de 2018, a economia criou 283.118 postos de trabalho.

O dado apresentado pelo Caged mostra que os oito setores econômicos acompanhados pelo indicador apresentaram crescimento do nível de emprego em abril. O resultado, diz o ministério, reforça "o quadro de otimismo para o emprego".

Entre os setores, o melhor desempenho foi nos serviços, que abriu 64.237 vagas. Os principais responsáveis pelo resultado setorial foram o comércio e administração de imóveis, valores mobiliários e serviços técnicos (+16.461 postos), transportes e comunicações (+14.837) e serviços de alojamento, alimentação, reparação, manutenção e redação (+11.495).

Em seguida, a indústria de transformação abriu 24.108 postos. O setor foi liderado pelo segmento químico e de produtos farmacêuticos, veterinários e perfumaria (+8.763 postos) e a indústria de produtos alimentícios, bebidas e álcool etílico (+7.820 postos).

Entre os demais setores, estão a construção civil (+14.394 empregos formais), comércio (+9.287), agropecuária (+1.591), administração pública (+980), extrativa mineral (+720) e serviços industriais de utilidade pública (+581).

SALÁRIOS

Os salários dos trabalhadores contratados com carteira assinada no mês de abril subiram 1,22% na comparação com o observado em março. Segundo dados do Caged, o valor médio ficou em R$ 1.532,73 no mês passado - valor R$ 18,47 maior que o do mês anterior. O salário dos demitidos também subiu: cresceu 1,5% ante março, para R$ 1.688,34.

Por região, o dado divulgado pelo Ministério do Trabalho indica que as cinco regiões do País apresentaram saldo de emprego positivo. O Sudeste liderou com 78.074 novas vagas de trabalho. Em seguida, apareceram o Centro-oeste (15.769 postos), Sul (13.298), Nordeste (4.447) e Norte (4.310).

Por Estado, 22 tiveram saldo positivo no emprego. Os maiores saldos de emprego ocorreram em São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Goiás, Rio de Janeiro e Santa Catarina. Por outro lado, Alagoas, Rio Grande do Sul, Pernambuco, Amazonas e Rio Grande do Norte destruíram empregos no mês passado.

IMAGEM: