Economia

Queda de preços de alimentos contribuiu para a deflação


A expectativa é que o IPC continue baixo em junho, mas não a ponto de ter nova deflação, de acordo com André Chagas, coordenador do IPC/Fipe


  Por Estadão Conteúdo 02 de Junho de 2017 às 15:44

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


A queda de 0,21% nos preços do grupo alimentação em maio surpreendeu André Chagas, coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), que previa alta de 0,05% para o setor.

De acordo com ele, o recuo foi o principal responsável pela deflação de 0,05% no IPC do quinto mês do ano, que foi a primeira queda para maio desde 2006 (-0,22%).

"Não esperávamos uma deflação dessa magnitude no grupo alimentação. Por isso, tampouco esperava queda para o IPC. As condições climáticas favoráveis e a safra recorde de grãos estão permitindo preços mais baixos para alimentos", diz.

Para o IPC, Chagas estimativa alta de 0,04%.

O efeito do clima e da colheita não foi o único a permitir declínio no IPC de maio. Para o economista, a recessão segue limitando o poder de compra dos consumidores.

"Esse desempenho não reflete somente esses impactos nem somente os efeitos da queda de juros, mas a falta de demanda. Neste momento, a deflação não é uma boa notícia, pois grande parte reflete a recessão", diz.

A expectativa é que o IPC continue baixo em junho, mas não a ponto de ter nova deflação. A previsão de Chagas é de alta de 0,27% para o dado fechado no sexto mês do ano, com o acumulado em 12 meses indo a 2,7%.

Para o fim do ano, o coordenador revisou a projeção para o IPC de 4,26% para 3,77%.

Ao contrário dos demais IPCs, na Fipe a devolução altista dos descontos concedidos em abril devido à cobrança indevida relacionadas à usina de Angra 3 será sentida em junho, de forma a elevar o IPC.

Além disso, também em razão de diferença metodológica, o impacto da mudança de bandeira vermelha patamar 1 (com custo elevado) para a cor verde (sem custo) nas contas de luz só será sentido em julho, com alívio estimado de 0,12 ponto percentual no IPC.

LEIA MAIS: Inflação em São Paulo sobe em 12 meses

"O fim desse desconto de Angra 3 vai significar uma alta de 1,01% no grupo habitação, por causa de energia elétrica. Essa previsão, por sua vez, terá impacto de 0,31 ponto percentual no IPC. O índice até poderia cair, não fosse energia elétrica", afirma.

Se a alta para o grupo habitação for confirmada, inverterá a queda de 0,36% registrada em maio.

ALIMENTOS

Ao contrário do grupo habitação, a Fipe estima novo declínio, de 0,19%, para o grupo alimentação no fim do mês, depois da retração de 0,21% em maio.

Chagas diz que muitos itens alimentícios que cederam no quinto mês deste ano devem continuar trazendo alívio ao IPC.

Com exceção de industrializados, cuja taxa passou de 0,33% para 0,26% no fim de maio, os demais segmentos ajudaram a abrandar o grupo alimentação com mais força.

Os semielaborados tiveram alta de 0,09%, na comparação com 0,75% na terceira quadrissemana de maio, enquanto os in natura atingiram recuo de 2,14% em relação à baixa de 0,87% na terceira leitura.

"Excluindo tubérculos, que subiram 8,02% mas já diminuíram a alta ante 15,06%, todos os alimentos in natura tiveram queda de preços", afirma.

De acordo com a Fipe, as verduras ficaram 3,96% mais baratas na quarta leitura de maio em relação à terceira (de -3,08%). As frutas tiveram variação negativa de 3,75% (de -3,46%).

Legumes apresentaram declínio de 4,96% (de -5,17%). E os ovos registraram recuo de 1,71% (de -0,64%). Já o grupo alimentação fora do domicílio desacelerou o ritmo de alta para 0,28% no fim de maio, depois de registar 0,46% na terceira quadrissemana.

LEIA MAIS: Índice de reajuste de aluguel tem queda de 0,93% em maio

Foto: Thinkstock