Economia

Quarentena faz movimento do comércio cair 20,1%


Resultado abrange os primeiros 30 dias de restrições, segundo dados nacionais da Boa Vista. Só no mês de março, indicador já havia apontado retração de 5,1%


  Por Redação DC 30 de Abril de 2020 às 08:53

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


Em um levantamento feito especialmente para observar os 30 dias dos efeitos da quarentena imposta para combater a covid-19, a Boa Vista refez os cálculos do seu tradicional Indicador de Movimento do Comércio para o período.

O resultado aponta que o movimento do comércio cedeu 20,1% no primeiro mês das restrições (17 de março até o dia 15 de abril), na comparação com os 30 dias imediatamente anteriores (16 de fevereiro a 16 de março).

LEIA MAIS:Facesp apresenta plano para reabrir comércio do interior paulista

O último levantamento mensal do indicador, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, já havia apontado queda de 5,1% em março na variação contra o mês de fevereiro, feitos os ajustes sazonais.

Os dados refletem os efeitos das medidas de isolamento social e restrições impostas ao comércio com a chegada da pandemia do novo coronavírus, e indicam uma desaceleração do setor nos próximos meses.

O resultado está em linha com as expectativas de mercado, que já sugerem queda de 3,3% na atividade econômica em 2020. 

SETORES

Na análise parcial (ver tabela), o segmento de “Móveis e Eletrodomésticos” apresentou queda de 56,2% após já ter recuado 13,5% em março, descontados os efeitos sazonais. Sendo o segmento mais afetado pelas medidas de isolamento no período.

A atividade de “Supermercados, Alimentos e Bebidas” foi a única que evitou perdas mais significantes, caindo apenas 0,5% no levantamento parcial.

Já a categoria de “Tecidos, Vestuários e Calçados” recuou 7,8% no período, após também ter apresentado retração no último levantamento divulgado (-1,1%).

Por fim, o segmento de “Combustíveis e Lubrificantes” apresentou retração de 9,9% no período de quarentena. No levantamento de março o indicador já havia recuado 6,7%.

FOTO: Rovena Rosa/Agência Brasil