Economia

PIB brasileiro cai 0,3% no 1º trimestre de 2016


Nos últimos três meses de 2015, o recuo foi de 1,4%, de acordo com IBGE. A economia do país completa uma série de oito tombos seguidos


  Por Agência Brasil 01 de Junho de 2016 às 09:50

  | Agência de notícias da Empresa Brasileira de Comunicação.


O Produto Interno Bruto (PIB) – soma de todos os bens e serviços produzidos no país – fechou o primeiro trimestre do ano em queda de 0,3% na série sem ajuste sazonal. No ano passado, o PIB havia fechado em queda de 3,8%, a maior desde o início da série histórica, que começou em 1996.

Os dados relativos aos três primeiros meses da economia brasileira foram divulgados hoje (01/06). pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

LEIA MAIS: Crescimento do Brasil deve ocorrer nos próximos trimestres, diz Meirelles

A queda do PIB no primeiro trimestre reflete retrações em todos os setores da economia, com destaque para Formação Bruta de Capital Fixo (investimento em bens de capital), com queda de 2,7%, na comparação com o trimestre anterior. Em seguida vem a indústra com -1,2%, a agropecuária com -0,3 e serviços com queda de 0,2%. Por sua vez, o consumo das famílias fechou com retração de 1,7% e o do governo em 1,1%.

SETORES

A maior contribuição para a queda de 1,2% no setor industrial veio da indústria extrativa mineral, com retração de 1,1%, enquanto a indústria de transformação recuou 0,3% e fechou o período com o sexto resultado trimestral negativo consecutivo. Na construção, houve queda de 1%. Já nas atividades de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana houve crescimento de 1,9%.

Em relação às despesas, o recuo de 2,7% na formação bruta de capital fixo é o décimo consecutivo nesta base de comparação. Já a despesa de consumo das famílias (-1,7%) caiu pelo quinto trimestre seguido.

No setor de serviços, a retração de 0,2% reflete o comportamento negativo do comércio (-1%), de intermediação financeira e seguros (-0,8%) e dos serviços de informação (-0,7%), justamente os que apresentaram as maiores quedas em relação ao trimestre imediatamente anterior.

No que se refere ao setor externo, as exportações de bens e serviços tiveram expansão de 6,5%, enquanto que as importações de bens e serviços recuaram 5,6%.

EDIÇÃO: DENISE GRIESINGER/AGÊNCIA BRASIL

 





Publicidade





Publicidade





Publicidade