Economia

Pequenas empresas perderam 49,7 mil empregos em outubro


Levantamento do Sebrae mostra que houve uma queda significativa em relação ao mesmo mês de 2014, quando foram criadas 52,7 mil novas vagas


  Por Redação DC 24 de Novembro de 2015 às 09:10

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


As micro e pequenas empresas também passaram a enfrentar neste ano os efeitos negativos da crise econômica. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego, calculados pelo Sebrae, os pequenos negócios fecharam 49,7 mil vagas com carteira assinada em outubro de 2015.

Em setembro, essas empresas já haviam cortado 23,4 mil empregos.

O resultado do mês passado mostra uma piora significativa no desempenho das pequenas empresas, que chegaram a gerar 52,7 mil novos postos de trabalho em outubro de 2014. 

Para o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, os pequenos negócios precisam ter acesso ao crédito, com juros abaixo do praticado no mercado, para evitar o desemprego. Ele propõe a liberação de 20% do depósito compulsório dos bancos para o capital de giro desses empreendedores.

A medida, apresentada ao Ministério da Fazenda no início desse ano, injetaria R$ 40 bilhões na economia. "As micro e pequenas empresas precisam de oxigênio para respirar nessa travessia gerada pela crise. Sem o crédito, elas afogam", afirma.

Entre as pequenas empresas, o segmento que mais fechou vagas em outubro deste ano foi o da indústria de transformação, com uma queda de 19,5 mil empregos. Também ocorreu uma redução de 14 mil vagas na construção civil e de 10,6 mil postos de trabalho na agropecuária.

Os números dos pequenos negócios seguiram o movimento dos demais segmentos da economia brasileira. Em outubro, o resultado global do Caged foi uma diminuição de 169,1 mil de empregos formais – o pior resultado para o mês desde o início da série histórica em 1992. Ao longo de 2015, o Brasil já perdeu um total de 818,9 mil empregos formais.

SALDO

Apesar da tendência de queda no emprego, os pequenos empreendimentos ainda registram um saldo positivo de 65,8 mil vagas neste ano. A administração pública criou 11,8 mil novos empregos de janeiro a outubro. No mesmo período, as médias e grandes empresas tiveram 896,5 mil postos de trabalho fechados.

FATURAMENTO

A receita das micro e pequenas empresas paulistas diminuiu R$ 11,5 bilhões e foi de R$ 48,1 bilhões em 12 meses - entre setembro do ano passado e o mesmo mês deste ano. O índice é apontado pelo levantamento mensal feito pelo Sebrae-SP.

Com isso, a queda no faturamento real - já descontada a inflação - chegou a 19,2%. Trata-se do maior porcentual de baixa para um mês de setembro em relação a igual período do ano anterior desde o início da pesquisa mensal, realizada há 17 anos.

No caso dos Microempreendedores Individuais (MEIs), o faturamento real apresentou queda de 21,5%, se considerado setembro deste ano em relação ao mesmo mês de 2014. A receita total foi de R$ 2,3 bilhões, ou R$ 639,5 milhões a menos

*Com informações de Agência Sebrae

FOTO: Thinkstock