Economia

Mesmo com crédito e juros menores, indústria decepciona


Equipe de economistas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) diz que a fraca demanda interna e a crise na Argentina prejudicam o setor


  Por Instituto Gastão Vidigal 13 de Janeiro de 2020 às 16:30

  | Da equipe de economistas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP)


Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção industrial, em novembro, no comparativo com o mesmo mês de 2018, mostrou queda de 1,7% (ver tabela abaixo), maior do que era esperado pelos analistas de mercado.

No acumulado de 12 meses o setor manteve a intensidade da contração observada na leitura anterior (-1,3%). No comparativo anual, duas das quatro categorias de uso apresentaram elevação, destacando-se a produção de bens de consumo duráveis e não duráveis, principalmente produtos diversos.

O segmento de bens de capital (máquinas e equipamentos) e de bens intermediários exibiram contração na mesma base de comparação.

Esses resultados se explicam tanto pela menor demanda interna como pela redução das exportações de manufaturados devida à crise argentina e à desaceleração da economia mundial, combinada com a menor produção mineral em decorrência do acidente de Brumadinho (MG).

Em síntese, a evolução da indústria em novembro reflete a lenta recuperação do setor, que poderia ser beneficiada pela expansão do crédito, por menores taxas de juros e pelo atual patamar da taxa de câmbio, que eleva sua competitividade.

 

IMAGEM: Thinkstock





Publicidade





Publicidade





Publicidade