Economia

Intenção de Consumo das Famílias registra alta de 1,9% em setembro


O indicador da CNC atingiu o melhor resultado desde março, 72,5 pontos, mas permanece abaixo do nível de satisfação (100 pontos)


  Por Redação DC 16 de Setembro de 2021 às 13:11

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


O mês de setembro apresentou o melhor índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) desde março de 2021 ao atingir os 72,5 pontos. Com o ajuste sazonal, a série apresentou crescimento mensal de 1,9%, a quarta taxa positiva consecutiva, de acordo com a apuração da Confederação Nacional do Comércio (CNC).

O indicador também registrou aumento de 7,2% em relação a setembro de 2020, quando estava em 67,6 pontos. O índice, porém, permanece abaixo do nível de satisfação (100 pontos), o que acontece desde abril de 2015 (102,9 pontos).

Para José Roberto Tadros, presidente da CNC, embora a intenção de consumo das famílias continuou a trajetória de crescimento, isso não significa garantia de recuperação econômica. "O aumento da inflação nos últimos meses reduziu o poder de compra dos consumidores, principalmente em itens duráveis", diz.

A avaliação do Momento para Duráveis apresentou queda mensal de 0,5%, o único subitem com redução no mês. No entanto, contou com um crescimento de 1,7% na comparação anual. Com isso, o subindicador atingiu o nível de 43 pontos, o menor de setembro, mas, ainda assim, a maior pontuação desde abril de 2021 (43,4 pontos).

EXPECTATIVAS

Exceto pela avaliação da compra de duráveis, todos os outros subíndices seguiram com resultados positivos.

Mais uma vez, o destaque foi o que mede a Perspectiva de Consumo, que registrou o crescimento mensal de 3,7%, o quarto consecutivo e a maior taxa do mês.

O Nível de Consumo atual também apresentou o quarta variação mensal positiva e uma alta anual de 13,5%. Com isso, o indicador alcançou o nível de 57,6 pontos, o maior patamar desde maio de 2020 (62,1).

EMPREGO

O subindicador de Renda Atual registrou um crescimento de 0,7%, continuando a tendência apresentada nos três meses anteriores, enquanto na comparação anual houve aumento de 3,1%.

Já o Emprego Atual mostrou crescimento mensal de 1,9%, também o quarto consecutivo e o mais intenso do período. O patamar atingido por este item (89,5 pontos) o manteve como o indicador mais elevado da pesquisa em setembro, sendo também o maior nível desde março de 2021 (90 pontos).

 

IMAGEM: Thinkstock






Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade




Publicidade



Publicidade




Publicidade