Economia

Intenção de consumo das famílias recua 0,6% em fevereiro, diz CNC


As incertezas em relação ao emprego continuam a influenciar as decisões de compra dos brasileiros


  Por Redação DC 22 de Fevereiro de 2021 às 13:02

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


O nível de consumo das famílias recuou 0,6% na passagem de janeiro para fevereiro, depois de cinco meses seguidos de alta, segundo a Confederação Nacional do Comércio (CNC).

A CNC é responsável pelo indicador de Intenção de Consumo das Famílias (ICF), que em fevereiro registrou 74,2 pontos. Trata-se do pior resultado para mês desde o início da série histórica, em janeiro de 2010. O ICF está abaixo do nível de satisfação (100 pontos) desde abril de 2015.

De acordo com o presidente da CNC, José Roberto Tadros, os brasileiros estão mais cautelosos na hora de comprar, especialmente diante das incertezas econômicas.

“Mesmo assim, as famílias não têm deixado de consumir enquanto têm sua renda garantida ou complementada com algum subsídio. Mais uma vez, estamos em um momento decisivo, em que os brasileiros olham para o mercado de trabalho e para as ações do governo diariamente antes de tomar as suas decisões”, avalia Tadros.

Sobre o emprego atual, a maior parte dos entrevistados (32,2%) se sente menos segura, em comparação com o ano passado, uma proporção maior do que em fevereiro de 2020 (19,2%).

As avaliações em relação à renda atual demonstraram que a maioria das famílias considerou sua renda pior do que no ano passado, com percentual de 40,5%, ante 23,4% em 2020.

Já em relação ao acesso ao crédito, a proporção das famílias que acreditam que comprar a prazo está mais difícil é de 40,2%, ante 36,7% em fevereiro de 2020.

Mesmo com essas percepções de dificuldade, o nível de consumo atual apresentou o maior crescimento do mês, registrando 3,4%.

A maior parcela das famílias (50,8%) demonstrou ainda uma perspectiva profissional negativa em fevereiro deste ano, enquanto este percentual foi de 40,5%, em fevereiro de 2020, mês anterior à pandemia.

A maioria das famílias (54,9%) acredita também que vai consumir menos nos próximos três meses. Este percentual ficou abaixo dos 55,4% no mês anterior e acima dos 36,1% observados em fevereiro de 2020. Essa redução mensal do percentual também foi corroborada pelo crescimento de 1,2% no indicador.

Economista da CNC responsável pela pesquisa, Catarina Carneiro da Silva explica o que motivou as oscilações. “Mesmo com esse recuo no indicador geral, a percepção em relação ao nível de consumo continuou em alta. O principal fator de influência para o resultado negativo do mês foi o mercado de trabalho. Tanto as incertezas sobre a manutenção do emprego atual quanto as perspectivas de mudança de emprego e melhora da renda podem ter impactado essa percepção das famílias”, analisa.

 

IMAGEM: Thinkstock






Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade




Publicidade



Publicidade




Publicidade