Economia

Indústria tem começo de ano ruim


Para os economistas da ACSP, a crise argentina e baixa demanda interna, devido ao elevado desemprego, continuam a prejudicar o setor


  Por Instituto Gastão Vidigal 13 de Março de 2019 às 16:43

  | Da equipe de economistas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP)


No primeiro mês do ano, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a atividade industrial mostrou queda de 2,6% em relação ao mesmo mês de 2018, ficando abaixo das expectativas de mercado.

No acumulado em 12 meses, a produção do setor continuou crescendo (0,5%), porém mantendo a tendência de desaceleração iniciada no segundo semestre do ano passado.

No contraste anual, todos os segmentos, segundo as categorias de uso, apresentaram contração, com destaque para a produção de bens duráveis, que continua a ser afetada pela crise argentina, principalmente no caso dos veículos, e de capital, que reflete a lentidão da retomada do investimento produtivo.

Para os economistas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), o ano começou para a indústria mantendo os mesmos problemas enfrentados no final de 2018: crise argentina e baixa demanda interna, devido ao elevado desemprego.

A confiança dos empresários melhorou muito após as eleições, mas isso ainda não se traduziu, do ponto de vista prático, em novas iniciativas.

A perspectiva é de que o avanço das reformas fiscais permita criar um cenário mais favorável para novos empreendimentos, exercendo impacto multiplicador na atividade industrial e econômica.

 

IMAGEM: Thinkstock