Economia

Índice que reajusta aluguel recua em abril


O alívio do IGP-M entre março e abril -de 0,64% para 0,57% -foi influenciado pelos produtos no atacado, de acordo com a FGV


  Por Estadão Conteúdo 27 de Abril de 2018 às 08:39

  | Agência de notícias do Grupo Estado


O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) desacelerou de 0,64% em março para 0,57% em abril, informa a Fundação Getulio Vargas (FGV). Assim, o indicador avançou em 12 meses, de 0,20% para 1,89%. No ano, o acumulado registra elevação de 2,05% ante 1,47%.

Os preços no varejo contribuíram com pressão de alta no Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) de abril ante março, que desacelerou de 0,64% para 0,57%, conforme a Fundação Getulio Vargas (FGV).

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do indicador da FGV subiu de 0,14% para 0,31% no período, com a principal contribuição do grupo Alimentação, que voltou ao campo positivo (0,18%) após cair 0,08% em março. Dentro do segmento, a FGV destacou a influência do item laticínios, cuja taxa passou de 0,15% para 1,09%. 

Outras quatro classes de despesas avançaram em abril ante março. Em Saúde e Cuidados Pessoais (0,36% para 0,85%), o destaque foram medicamentos em geral (0,00% para 1,29%), que subiram devido ao reajuste anual que começou a valer no fim de março.

Já tarifa de eletricidade residencial (0,83% para 1,24%) contribuiu para o aumento de Habitação (0,19% para 0,33%). No caso de Educação, Leitura e Recreação (-0,29% para 0,00%), a contribuição maior veio de show musical (0,70% para 2,33%) e, em Comunicação (-0,17% para 0,08%), a influência principal foi de tarifa de telefone móvel (-0,57% para 0,36%).

Em contrapartida, três segmentos tiveram decréscimo nas taxas de variação: Transportes (0,40% para 0,32%), Vestuário (0,53% para 0,49%) e Despesas Diversas (0,12% para -0,02%). Nesses grupos, os destaques foram tarifa de ônibus urbano (1,00% para 0,62%), roupas infantis (1,08% para 0,47%) e alimentos para animais domésticos (0,29% para -1,21%), respectivamente.

LEIA MAIS: Queda da inflação beneficia mais a baixa renda

IMAGEM: Thinkstock