Economia

Índice que reajusta aluguel fecha o ano com inflação de 7,5%


No mês de dezembro, o índice registrou deflação de 1,08%, uma queda de preços mais acentuada do que em novembro (-0,49%)


  Por Agência Brasil 28 de Dezembro de 2018 às 13:58

  | Agência de notícias da Empresa Brasileira de Comunicação.


O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), usado no reajuste dos contratos de aluguel, fechou o ano de 2018 com uma taxa de 7,54%. No ano passado, o IGP-M havia registrado deflação (queda de preços) de 0,52%.

No mês de dezembro, o índice registrou deflação de 1,08%, uma queda de preços mais acentuada do que em novembro (-0,49%).

A queda da taxa de novembro para dezembro foi puxada pelos preços no atacado, varejo e construção. O atacado, medido pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo, caiu de -0,81% para -1,67%.

O Índice de Preços ao Consumidor, que mede o varejo, caiu de 0,09%, em novembro, para 0,04%, em dezembro. O Índice Nacional de Custo da Construção caiu de 0,26% para 0,13% no período.

A expectativa é de que o indicador de 2019 caia pela metade em relação ao observado este ano, de acordo com afirma André Braz, economista e pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV).

"Praticamente o IGP-M ficou o dobro do que se espera para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de 2018. Essa diferença decorre do câmbio. Como não esperamos grande desvalorização como a ocorrida este ano, há possibilidade de cair pela metade".

Ainda que a taxa de juros esteja em nível histórico de baixa, o economista explica que o desemprego continua elevado, limitando a demanda e, consequentemente, repasses mais fortes para os preços.

"Em 2019, a expectativa é de crescimento maior da economia, o que pode requerer atenção em relação à dinâmica dos preços. Contudo, não esperamos que irão deslanchar, pois o externo está mais desafiador, o centro da meta para a inflação oficial é menor (4,25%). Ou seja, deve ter alguma recuperação dos preços, mas o cenário deve continuar relativamente tranquilo", diz Braz.

FOTO: Thinsktock