Economia

Indicador de incerteza da economia sobe 1,8 ponto em novembro


"Parece que a tempestade passou, mas a bonança está longe de chegar", afirma o economista Pedro Costa Ferreira, do Ibre/FGV


  Por Estadão Conteúdo 29 de Novembro de 2017 às 09:31

  | Agência de notícias do Grupo Estado


O Indicador de Incerteza da Economia Brasileira (IIE-Br) subiu 1,8 ponto na passagem de outubro para novembro, alcançando 112,8 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quarta-feira (29/11).

A alta pode ser interpretada como uma acomodação, depois de o indicador ter recuado 31,5 pontos ao longo dos cinco meses anteriores, ressaltou a FGV.

"Parece que a tempestade passou, mas a bonança está longe de chegar. O fim da recessão econômica e a maior confiança de que o atual presidente terminará o seu mandato trazem algum alívio ao sentimento de insegurança. Contudo, as dificuldades para aprovar as reformas estruturantes, o desequilíbrio fiscal e as divisões político-partidárias mostram que ainda é cedo para sair do estado de alerta. Possivelmente, é isso que reflete o resultado do IIE-BR em novembro", avalia o economista Pedro Costa Ferreira, do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

O IIE-Br passou a integrar o calendário de divulgações de indicadores econômicos do Ibre/FGV no fim de 2016. O índice mensal é composto por três componentes: o IIE-Br Mídia, que faz o mapeamento nos principais jornais da frequência de notícias com menção à incerteza; o IIE-Br Expectativa, que é construído a partir das dispersões das previsões para a taxa de câmbio e para o IPCA; e o IIE-Br Mercado, baseado na volatilidade do mercado financeiro.

Em novembro, o IIE-Br Mídia subiu 1,8 ponto, contribuindo com 1,5 ponto para o comportamento do índice geral. O IIE-Br Mercado avançou 3,1 pontos, uma contribuição de 0,4 ponto.

Já o IIE-Br Expectativa recuou 0,4 ponto, um impacto de -0,1 ponto. A coleta do Indicador de Incerteza da Economia Brasileira é realizada entre o dia 26 do mês anterior ao dia 25 do mês de referência.

IMAGEM: Thinkstock