Economia

Incertezas eleitorais derrubaram as vendas na capital paulista


Em outubro, o resultado apurado pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) mostrou queda de 0,4% em relação a igual mês do ao passado


  Por Redação DC 01 de Novembro de 2018 às 18:45

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


O movimento de vendas do varejo paulistano caiu em média 0,4% em outubro sobre o mesmo período de 2017, de acordo com o Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

“As comercializações do período foram fracas devido à incerteza das eleições, que fez com que os consumidores adiassem decisões de compra. O aumento das tarifas públicas – energia elétrica e gasolina – também foi outro fator que diminuiu o poder aquisitivo das famílias”, diz Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comercias do Estado de São Paulo (Facesp). 

As vendas à vista recuaram 3,8% em outubro, também prejudicadas pelo clima relativamente frio, que não estimulou a moda Primavera-Verão. Por outro lado, as transações a prazo tiveram alta de 4,6% no período beneficiadas pela queda dos juros e pelo alongamento dos prazos.

VARIAÇÃO MENSAL

Em relação a setembro, as vendas de outubro aumentaram em média 13,5%. Apesar de setembro não apresentar datas comemorativas importantes para o comércio, o mês teve dois dias úteis a mais. Porém, outubro mostrou-se mais forte, puxado pelo Dia das Crianças, que tem intenso movimento de compras.

De um modo geral, o movimento das vendas do comércio em outubro não deve servir como parâmetro para avaliar as vendas do fim do ano.

“O mês apresentou fatores circunstâncias – eleições e aumento de preço dos serviços públicos - que não são medidores para a projeção de vendas do fim de ano. Há outro ponto positivo para o futuro: tradicionalmente a confiança do consumidor sobe após as eleições”, afirma Burti.

O Balanço de Vendas é elaborado pelo Instituto de Economia Gastão Vidigal/ACSP com base em amostra fornecida pela Boa Vista Serviços.

 

IMAGEM: Thinkstock