Economia

Incerteza em relação à economia brasileira ainda está elevada


E a principal causa é a indefinição da questão fiscal - que depende da aprovação da reforma da Previdência - devido ao ambiente político, segundo indicador da FGV


  Por Estadão Conteúdo 28 de Abril de 2017 às 09:53

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


O Indicador de Incerteza da Economia Brasileira (IIE-Br) recuou 3,9 pontos na passagem de março para abril, para 118,8 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta sexta-feira (28/04).

"Mesmo com o recuo de abril, o indicador continua rodando na casa dos 120 pontos, um nível bastante elevado. As principais causas dessa resiliência são a ainda indefinida questão fiscal, tendo como principal fator de preocupação a reforma da Previdência, o ambiente político interno e a incerteza externa. A este nível, a incerteza econômica continuará afetando negativamente o consumo das famílias e os investimentos e poderá contaminar as expectativas empresariais e dos consumidores medidas pelas sondagens", avaliou o economista Pedro Costa Ferreira, do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

O índice mensal passou a integrar o calendário de divulgações de indicadores econômicos do Ibre/FGV no fim de 2016. O IIE-Br é composto por três componentes: o IIE-Br Mídia, que faz o mapeamento nos principais jornais a frequência de notícias com menção à incerteza; o IIE-Br Expectativa, que é construído a partir das dispersões das previsões para a taxa de câmbio e para o IPCA; e o IIE-Br Mercado, baseado na volatilidade do mercado financeiro.

Em abril, a queda do IIE-Br foi consequência de reduções em todos os componentes. A maior influência foi da redução de 2,3 pontos no IIE-Br Mídia, o equivalente a uma contribuição de -2,0 pontos para a evolução do IIE-Br no mês.

O IIE-Br Expectativa caiu 5,1 pontos, impactando em -1,3 ponto o IIE-Br. O movimento foi impulsionado pela expressiva redução da volatilidade nas previsões de especialistas em relação à taxa de câmbio nos próximos 12 meses.

Já o componente IIE-Mercado diminuiu 4,6 pontos, contribuindo com -0,6 ponto para a retração do indicador agregado de incerteza em abril.

A coleta do Indicador de Incerteza da Economia Brasileira é realizada entre o dia 26 do mês anterior ao dia 25 do mês de referência.

IMAGEM: Thinkstock