Economia

Gustavo Franco defende venda de estatais para pagar dívida pública


"A nação deve muito dinheiro e os credores somos nós", afirma o economista e ex-presidente do Banco Central


  Por Estadão Conteúdo 19 de Novembro de 2017 às 03:18

  | Agência de notícias do Grupo Estado


O economista Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central e agora presidente da Fundação do Partido Novo, defende o uso de recursos obtidos com a venda de estatais federais para abater a dívida pública.

Para o ex-presidente do BC, o FGTS não deveria mais financiar projetos de governo, como da casa própria, uma vez que esse financiamento deveria estar explicito no Orçamento 

"Olhando a lista de empresas estatais, não me convenço que ali necessariamente tenha de ter todas aquelas empresas. Também não é o caso de vender todas no dia seguinte. Muitas tem de fechar, pois o contribuinte brasileiro não tem que sustentar essas iniciativas", afirmou ele, que deixou o PSDB este ano e deve se dedicar à elaboração do programa de governo de João Amoêdo, presidente do Novo, que lança oficialmente sua pré-candidatura ao Palácio do Planalto na tarde deste sábado (18/11).

Gustavo Franco ressaltou que há ativos de imenso valor, como a Petrobrás e o Banco do Brasil, e é preciso pensar muito bem em como fazê-los funcionar melhor tendo a iniciativa privada com papel crescente e até controlador, mas há muitas ideias interessantes, são patrimônios importantes da nação.

"A nação deve muito dinheiro e os credores somos nós. A dívida é muito cara, mais cara que o patrimônio rende, então temos de fazer alguma coisa."

Na sua visão, as atuações de Petrobrás, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal precisam ser repensadas. Entre as ideias que disse acreditar que são interessantes ele afirmou que era preciso rever a conexão que existe entre a Caixa e o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

Segundo o economista, a estatal poderia ser mais eficiente se assumisse um papel mais comercial e menos de administração de programas de governo.

Para o ex-presidente do BC, o FGTS não deveria mais financiar projetos de governo, como da casa própria, uma vez que esse financiamento deveria estar explicito no Orçamento.

"Talvez tornar essas empresas em corporações, como ocorreu com a Vale. Há muitas possibilidades interessantes sobre as quais deve-se refletir

FOTO: JF Diorio/Estadão Conteúdo