Economia

Grécia: eleitores dizem "não" às medidas de austeridade impostas por credores


O resultado fortalece a posição do governo liderado pelo primeiro-ministro Alexis Tsipras, do partido de esquerda Syriza


  Por Estadão Conteúdo 05 de Julho de 2015 às 18:28

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


Os eleitores da Grécia rejeitaram em plebiscito realizado neste domingo as novas medidas de austeridade exigidas pelos credores internacionais do país, Com mais de 87% dos votos apurados, mais de 61% dos eleitores votaram "não" às medidas de austeridade, enquanto 38% votaram pelo "sim.

SAIBA MAIS: Economista que viveu em SP até a adolescência relata o drama grego

O resultado fortalece a posição do governo liderado pelo primeiro-ministro Alexis Tsipras, do partido de esquerda Syriza, que convocou o plebiscito e fez campanha pelo "não" depois do fracasso das negociações com os demais países da União Europeia, o FMI e o Banco Central Europeu (BCE). 

O ministro das Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis, disse que seu país vai buscar um terreno comum com os credores internacionais, depois do plebiscito em que a maioria dos eleitores gregos parece ter rejeitado as medidas de austeridade exigidas pelos credores como condição para liberar ajuda ao país.

"A partir de amanhã, com este generoso 'não' da parte do povo grego, com essa ferramenta nós vamos estender nossa mão aos credores, de modo a trabalhar com eles", disse Varoufakis a repórters em Atenas. "Vamos convidá-los, um por um, a encontrarmos terreno comum. Vamos vê-los de uma maneira positiva, depois de o FMI ter divulgado um relatório que confirma que nossa dívida precisa ser reestruturada", acrescentou.

Na última quinta-feira (02/07), o FMI advertiu que a Grécia precisará de uma reestruturação ampla de sua dívida e de pelo menos mais US$? 60 bilhões em ajuda, para poder reequilibrar suas finanças

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e o presidente da França, François Hollande, conversaram pelo telefone neste domingo sobre a questão da Grécia e convocaram uma reunião de cúpula dos países da zona do euro para esta terça-feira (07/07). "Ambos concordam que a decisão dos cidadãos gregos deve ser respeitada", disse o porta-voz de Merkel, Steffen Seibert.

O porta-voz também disse que Merkel e Hollande vão se reunir e jantar nesta segunda-feira (06/07) em Paris, "para discutir uma avaliação conjunta da situação após o plebiscito na Grécia e a continuidade da cooperação estreita entre Alemanha e França sobre essa questão". 

ENQUANTO ISSO

O ex-primeiro-ministro da Grécia Antonis Samaras anunciou que vai renunciar à presidência do principal partido conservador de oposição do país, o Nova Democracia. Samaras está entre os políticos que lideraram a campanha pelo "sim" no plebiscito deste domingo, no qual os gregos decidiram rejeitar as novas medidas de austeridade fiscal exigidas pelos credores internacionais da Grécia. Samaras foi primeiro-ministro da Grécia entre 2012 e 2015. 





Publicidade






Publicidade









Publicidade