Economia

Governo ensaia estímulo às vendas de automóveis


A medida, que deve ser apresentada com o nome de Programa Sustentabilidade Veicular, envolve 19 entidades do setor automotivo. O estímulo não seria dado por meio de subsídios


  Por Estadão Conteúdo 06 de Janeiro de 2016 às 15:11

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


O governo deve anunciar ainda em janeiro a assinatura de um decreto que estimule a venda de veículos novos em 2016, afirmou nesta quarta-feira, 6/01, Alarico Assumpção, presidente da Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotivos (Fenabrave). 

"São 19 entidades do setor automotivo que estão discutindo com o governo um novo programa de renovação de frota, que deverá se chamar Programa Sustentabilidade Veicular, e o anúncio deverá ser feito no decorrer deste mês", disse. Segundo ele, há um "compromisso verbal" para a implementação dessa medida.

Assumpção evitou dar mais detalhes sobre o acordo, que ainda está sendo costurado, mas garantiu que não haverá subsídios por parte do governo. "Isso não existirá, porque o governo não tem condição, não tem caixa", declarou. "O acordo deve se dar por meio de alguma taxa ou de algum seguro", acrescentou.

Segundo o presidente da Fenabrave, as discussões tiveram início há alguns meses, a pedido do próprio governo. Entre as instituições envolvidas estão entidades que representam as montadoras, os metalúrgicos e os sindicatos de trabalhadores, além da própria Fenabrave.

VENDAS EM QUEDA

As discussões sobre o programa ocorrem em meio à terceira retração anual seguida das vendas de veículos novos. Em 2015, foram 2,569 milhões de unidades vendidas, recuo de 26,5% em relação ao volume de 2014 (3,497 milhões), o maior tombo desde 1987. Em 2014, houve recuo de 7,15% em relação ao ano anterior. Em 2013, a queda havia sido de 0,9%, a primeira baixa em dez anos.

O setor automotivo teve seu auge em 2012, quando vendeu 3,8 milhões de unidades. À época, o mercado ainda contava com a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), medida que tornou os veículos mais baratos e estimulou o consumo.

Os dados são da Fenabrave, que também fez projeções para 2016. Segundo a entidade, neste ano as vendas devem ter queda de 5,8%, para um total de 2,42 milhões de unidades.

IMPORTADOS

As vendas de veículos importados somaram 59.975 unidades em 2015, queda de 36% sobre as 93.685 unidades comercializadas em 2014, segundo dados divulgados pela Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores (Abeifa). 
Apenas Volvo, com alta de 22,3%, para 3.811 unidades, Jaguar, com aumento de 34,6%, para 513 veículos, e a luxuosa Rolls Royce, com 5 veículos comercializados (alta de 150%), tiveram desempenho positivo em 2015 entre os importados.

O presidente da Abeifa, Marcel Visconde, informou, em nota, que "o ano de 2015 foi, sem dúvida, um dos anos mais difíceis para o setor, com forte impacto da queda da confiança do consumidor, retorno da inflação de dois dígitos, queda dos níveis de emprego e o aumento do dólar", informou. 

A nota trouxe ainda que a recuperação em 2016 dependerá de ações firmes do governo. “Todos os agentes envolvidos na cadeia, sejam as empresas importadoras, as fabricantes e a rede de revendedores já começaram a readequar suas operações para o novo patamar do mercado".