Economia

Empresas devem abrir 23 mil vagas para o Dia das Mães


O número de empregos temporários deve ser 28% menor do que o do ano passado, de acordo com a Fenaserhtt


  Por Estadão Conteúdo 06 de Abril de 2016 às 14:21

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


O Dia das Mães, considerado pelo comércio como o segundo melhor período de vendas do ano após o Natal, deve dar um gás para o mercado de trabalho no país.

A expectativa é que serão criadas 23 mil vagas temporárias em todo o país, mas esse número é 28% menor do que o do ano passado, de acordo com pesquisa do Centro Nacional de Modernização (Cenam), encomendada pela Federação Nacional dos Sindicatos de Empresas de Recursos Humanos, Trabalho Temporário e Terceirizado (Fenaserhtt) e pelo Sindicato das Empresas de Prestação de Serviços a Terceiros, Colocação e Administração de Mão de Obra e de Trabalho Temporário do Estado de São Paulo (Sindeprestem).

Deste total, apenas 2% dos trabalhadores têm chance de serem efetivados.

A indústria é o setor com maior índice de contratação (67%). Normalmente, é o primeiro segmento a recrutar temporários por se antecipar às datas comemorativas. Em seguida, aparecem os setores de comércio (12%), entretenimento e lazer (6%), feiras e eventos (6%), limpeza, portaria e serviços (5%) e hotelaria (4%).

A pesquisa aponta que os homens devem preencher a maioria das vagas (56%) e que pessoas com idades entre 22 e 35 anos têm maior chance de contratação.

Atualmente, há cerca de 10 milhões de desempregados no Brasil, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o levantamento da federação, muitas empresas demitiram para conseguir permanecer no mercado, mas precisam de mão de obra para alguns períodos, como os que antecedem as datas comemorativas.

LEIA MAIS: No pior fevereiro em 25 anos, Brasil fecha 104.582 vagas 

Se somada às vagas da Páscoa, o Dia das Mães deve representar a oportunidade do primeiro emprego a 3,1 mil jovens.

Na indústria, 52% dos salários estarão na faixa entre R$ 1.321 e R$ 1.980 e, no comércio, a maioria (64%) ficará entre R$ 1.000 e R$ 1.320.

LEIA MAIS: Atividade do comércio cai 8,5% até março e tem pior trimestre