Economia

Emprego e faturamento real da indústria caem em outubro


Dados ainda se referem ao período dominado pela incerteza com as eleições, justifica a CNI


  Por Estadão Conteúdo 03 de Dezembro de 2018 às 14:48

  | Agência de notícias do Grupo Estado


Depois de cair 1,8% em setembro, o faturamento industrial acelerou o ritmo de recuo em outubro, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (03/12), pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Na comparação com o mês anterior - e excluindo os efeitos de calendário -, as vendas das fábricas brasileiras caíram 2,2% no décimo mês deste ano.

LEIA MAIS: Atividade da indústria recupera fôlego e sobre em outubro

"Com isso, o faturamento registra a terceira queda nos últimos quatro meses, acumulando recuo de 7,8% no período", considerou a CNI, no documento. Ainda assim, o volume faturado em outubro pelo setor foi 2,4% maior que o registrado no mesmo mês de 2017.

Considerando as vendas de janeiro a outubro de 2018, o desempenho foi 4,8% superior ao do mesmo período do ano passado. Apesar do menor faturamento, a quantidade de horas trabalhadas na indústria ficou estável em outubro. Em relação a igual mês de 2017, houve um aumento de 1,1% nas horas trabalhadas.

No acumulado de 2018 até outubro, no entanto, o tempo de trabalho na produção foi 0,5% maior que o verificado no mesmo período do ano passado.

"Os dados de outubro ainda se referem ao período dominado por incertezas com as eleições e não capturam a melhora do otimismo e da confiança com a definição do quadro eleitoral que outros indicadores mostram", afirmou Flávio Castelo Branco, gerente-executivo de política econômica da CNI.

Em outubro, a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) no parque industrial brasileiro retraiu 0,2 ponto porcentual, passando de 77,3% para 77,1% (de acordo com dado ajustado). Em outubro de 2017, a UCI estava em 77,8%.

"De fato, a atividade da indústria ainda patina e necessita de maiores estímulos vindos da demanda de consumo das famílias para mostrar uma reação mais forte, o que deve ocorrer neste fim de ano. No médio prazo, o crescimento dependerá dos avanços na pauta de reformas que o governo conseguir levar adiante, para provocar uma resposta mais efetiva do investimento", completou Castelo Branco.

PELA SEXTA VEZ

O emprego na indústria seguiu em queda em outubro, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira, segundo a CNI. As vagas de trabalho no setor caíram 0,2% em relação a setembro, já descontados os efeitos de calendário.

"Com a revisão dos números dessazonalizados dos meses anteriores, o emprego passou a registrar a sexta queda consecutiva. A queda mensal tem sido pequena - no período, a queda acumulada é de 1%", considerou o documento.

Da mesma forma, o nível de emprego da indústria brasileira em outubro foi 0,2% inferior ao registrado no mesmo mês de 2017. Considerando o período de janeiro a outubro de 2018, porém, o emprego na indústria foi 0,3% melhor que o acumulado no mesmo período do ano passado.

LEIA MAIS: Desocupação cai no trimestre até outubro. Mas...

Apesar da piora no emprego em outubro, a massa salarial real dos trabalhadores da indústria cresceu 0,3% em relação a setembro. Na comparação com outubro de 2017, porém, a massa de salários paga na indústria caiu 2,5%.

Considerando o período de janeiro a outubro de 2018, houve um recuo de 1,7% na massa salarial na comparação com os dez primeiros meses do ano passado. Com menos emprego e maior massa salarial, o rendimento médio dos trabalhadores do setor também cresceu em outubro, com alta de 0,7% em relação a setembro.

Ainda assim, a renda média dos funcionários das fábricas em outubro foi 2,3% menor que a do mesmo mês do ano passado. No acumulado do ano, o rendimento médio recuou 2,0% ante o mesmo período de 2017.

FOTO: Thinkstock