Economia

Em 2019, mais de 80% do emprego veio das PMEs


Autônomos como motoristas e faxineiras que trabalham por aplicativo "já são parte da nova economia", disse Carlos Costa, secretário de competitividade do Ministério da Economia


  Por Estadão Conteúdo 18 de Outubro de 2019 às 14:24

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


O secretário especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, disse nesta sexta-feira (18/10), que mais de 80% do número de empregos gerados até agora em 2019 veio de pequenas empresas, tanto nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), quanto no levantamento da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua.

LEIA MAIS:A hora e a vez dos MEIs

"Pequenas empresas vão ser o grande vetor de crescimento nos próximos anos", disse o secretário, durante evento de divulgação do Ranking de Competitividade dos Estados, elaborado pelo Centro de Liderança Pública (CLP), na B3, em São Paulo.

Para ele, o Brasil vive uma "revolução silenciosa" com esses empreendimentos. "Nós tivemos muito sucesso nos últimos anos em aumentar o número de pequenas empresas no Brasil. No entanto, a produtividade é muito baixa", disse Costa, emendando que uma das prioridades da Secretaria Especial é tornar as pequenas empresas mais produtivas e competitivas.

LEIA MAIS: Ao contratar, PMEs preferem competências comportamentais

Costa afirmou, ainda, que "alguns trabalhadores por conta própria são parte da nova economia", citando motoristas de Uber e faxineiras que trabalham por aplicativo. "É uma nova relação de trabalho, e é um emprego da melhor qualidade, porque é a pessoa sendo empresária de si mesma", completou.

FOTO: Thinkstock