Economia

Disputa Bolsonaro x Haddad afeta até trabalho temporário


Para Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil, empresários aguardam definição do quadro político para contratar trabalhadores temporários


  Por Estadão Conteúdo 15 de Outubro de 2018 às 15:53

  | Agência de notícias do Grupo Estado


Apesar de uma projeção de mais vagas para trabalhadores temporários este ano, as contratações estão atrasadas em relação ao ano passado.

"Há uma expectativa melhor, mas ainda em compasso de espera", diz Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil.

Segundo ela, as empresas pretendem fazer a maior parte das admissões a partir de novembro porque só no mês que vem se saberá quem será o próximo presidente.

E esse é um dado importante nas projeções de vendas de Natal.

Neste ano, quase dois terços das vagas temporárias são para pessoas com 18 a 34 anos, de acordo com pesquisa feita pelo SPC Brasil e pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) com 1.168 empresas, entre o final de agosto e a primeira semana de setembro.

A idade média é de 28 anos.

"O desemprego é maior entre os mais jovens e há oportunidade para eles resolverem esse problema, nem que seja por um curto período", diz Marcela.

A pesquisa mostra também que 28% dos empresários pretendem efetivar ao menos um temporário.

Não é alta, mas a chance de efetivação existe, ressalta a economista.

A expectativa de aumento no número de vagas de temporários para o final de ano é confirmada pela agência de empregos Luandre, uma das maiores do setor.

De acordo com a agência, a oferta de vagas temporárias deve crescer 30% este ano.

Parte dessas contratações já ocorreram na indústria entre agosto e este mês, puxada pela produção de alimentos.

Em seguida está o varejo.

O setor poderá admitir, a partir de novembro, estoquistas, vendedores e operadores de caixa, para atender o movimento maior de fim de ano.

INTENÇÃO

Marcela Kawauti observa que que não só o total de vagas é um pouco maior neste ano, mas também a intenção dos empresários é mais positiva. No ano passado, quando foi feita a pesquisa, 82% dos entrevistados disseram que não tinham contratado e que não pretendiam contratar.

 

No início deste mês, Janaína Silva Cândido, de 27 anos, voltou a trabalhar com carteira assinada.

Conseguiu uma vaga numa indústria, com direito a refeição e vale-transporte. Mas essa situação já tem prazo para acabar: o contrato de Janaína é temporário, vale por 180 dias.

Por conta da crise, os contratos temporários - mais comuns nesse período, quando as empresas precisam reforçar a produção e as equipes de vendas -, são o único contrato fixo de muitas pessoas.

Janaína é um exemplo disso.

Seu último emprego fixo, sem prazo determinado, foi em uma fábrica de biscoitos.

Era auxiliar de empacotamento.

Ficou por um ano e dois meses.

Foi demitida em setembro de 2016, numa leva de cortes.

De lá para cá, distribuiu, sem sucesso, currículos em agências de empregos e em empresas.

Mas a chance de conseguir um emprego permanente, por tempo indeterminado, ainda não apareceu.

"No ano passado, trabalhei como temporária na empresa em que estou hoje", disse Janaína.

De fevereiro a setembro, o máximo que conseguiu foram bicos como manicure num salão de cabeleireiro na rua onde mora, em São Miguel Paulista, zona leste de São Paulo.

Não há uma estatística que mostre quantos brasileiros têm feito do trabalho temporário a única ocupação fixa. Mas haverá mais chances de contratações este ano.

Segundo projeções do SPC Brasil e da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), deverão ser ofertadas 59,2 mil vagas temporárias no setor de comércio e serviços neste fim de ano, mais que as 51 mil vagas criadas em 2017.

"O volume de temporários neste ano é a metade de um bom mês do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

Há uma discreta melhora", diz Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil.

Levantamento feito pela Associação Brasileira de Trabalho Temporário (Assertem), que pesquisa a intenção de contratações de outros setores, não apenas do comércio e serviços, confirma o aumento nas vagas temporárias neste ano.

Entre setembro e dezembro, serão abertos 434.424 postos de trabalho, um número 10% maior na comparação com 2017.

São Paulo responde por mais da metade das vagas, com destaque para os segmentos farmacêutico, alimentício, químico e agroindustrial.

ALÍVIO

São essas vagas que darão mais uma vez alívio a Karoline Muniz Benjamin, de 26 anos, moradora de Guarulhos, na Região Metropolitana de São Paulo.

A exemplo de Janaína, será também o segundo ano seguido em que o emprego temporário será sua única ocupação com carteira assinada.

Karoline foi admitida temporariamente numa fábrica, onde já tinha trabalhado no fim de 2017.

"O contrato é por 180 dias, mas pode terminar antes, se o serviço acabar", diz.

Nos últimos dois anos, a rotina de Karoline não tem sido diferente da vivida pela legião de desempregados do País.

"Entrego currículos para uma vaga de auxiliar de produção na segunda, terça e quarta. Paro uma semana e volto a entregar na semana seguinte", conta.

Desempregada desde o fim de 2016, ela tem feito artesanato para vender, mas a renda é incerta.

O único salário garantido que consegue é com emprego temporário de fim de ano.

Por uma jornada de segunda a sexta-feira, tanto Karoline quanto Janaína vão receber R$ 1.400 mensais, o mesmo salário que ganharam como temporárias no ano passado.

Apesar da perda de poder de compra, já que a inflação avançou 4,5% no período, ambas estão aliviadas por terem conseguido, pelo menos por alguns meses, uma renda com a qual podem contar.

FOTO: Thinkstock