Economia

Dia do Comerciante, hoje


Espalhado por todo o território nacional, o setor comercial é um grande absorvedor de mão de obra, e se caracteriza pela grande participação das micro e pequenas empresas


  Por Marcel Solimeo 16 de Julho de 2019 às 07:30

  | Economista-chefe da Associação Comercial de São Paulo


VISCONDE DE CAIRU,
PATRONO DO COMÉRCIO

O Dia do Comerciante, 16 de julho, foi instituído em pela Lei 2048 de 1953 como uma homenagem aos homens e mulheres que se dedicam a uma das atividades mais importantes da economia -o comércio.

A escolha desse dia foi em homenagem ao aniversário de José da Silva Lisboa, o Visconde de Cairu (1756-1835), patrono do comércio, por sua contribuição para a “abertura dos portos às nações amigas”, que libertou as transações com o mercado externo, e marcou o início da independência econômica do Brasil. 

Se no comércio internacional o comércio é fator de integração entre as nações, no mercado interno ele une as diversas regiões do país, sendo, muitas vezes, em lugares mais distantes e isolados, a única forma de contato com as áreas mais desenvolvidas, para o atendimento das necessidades básicas da população. 

Ao captar os desejos e necessidades do consumidor, o comércio estimula o desenvolvimento das demais atividades, e funciona como estabilizador da produção, com a formação de estoques, e contribui para a expansão do mercado com publicidade e promoções e com a criação do crediário.

Espalhado por todo o território nacional, o setor comercial é um grande absorvedor de mão de obra, e se caracteriza pela grande participação das micro e pequenas empresas.

A acelerada expansão nos últimos anos, resultante da urbanização, do crescimento de renda e da popularização do crediário, transformou o mercado interno brasileiro em um dos maiores do mundo, o que atraiu inclusive a presença de empresas estrangeiras e permitiu a formação de grandes redes nacionais, complementadas por milhões de empresas de micro e pequeno porte.

As transformações resultantes da evolução da tecnologia representam grande desafio para os comerciantes, especialmente os de menor porte, obrigando a se reciclar e atualizar de forma permanente para se manterem no negócio, especialmente em períodos como o atual de baixo crescimento da economia.

É necessário adaptar-se às novas formas de comércio,inclusive “on line”, e aos novos consumidores, mais informados e exigentes, amparados por uma atuação mais ampla dos órgãos de defesa dos consumidores.

São novos desafios que vão exigir dos comerciantes a mesma criatividade, ousadia, dedicação e coragem de correr riscos que caracterizaram os comerciantes ao longo do tempo e que os fizeram merecedores da homenagem da criação do DIA DO COMERCIANTE.

FOTOS: Igor Suassuna/Pixabay e Wikipedia