Economia

Desemprego recua 0,1% no trimestre, segundo IBGE


Mesmo assim, ainda são 14 milhões de desempregados. O mercado de trabalho perdeu 1,243 milhão de vagas com carteira assinada no período de um ano


  Por Estadão Conteúdo 31 de Maio de 2017 às 09:41

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


Com relação ao trimestre de janeiro a março, o desemprego caiu de 13,7% para 13,6% entre fevereiro e abril, segundo dados divulgados nesta terça-feira (31/05) pelo IBGE.

Essa queda de 0,1% ponto porcentual é meramente simbólica, indicando uma estagnação no mercado de trabalho, num período em que os agentes econômicos esperavam que ocorresse uma queda acentuada.

Com isso, a fila do desemprego contava com 14,048 milhões de pessoas no trimestre encerrado em abril. O dado consta da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad.

 O resultado significa que há mais 2,636 milhões de desempregados em relação a um ano antes, o equivalente a um aumento de 23,1%.

Ao mesmo tempo, o total de ocupados caiu 1,5% no período de um ano, o equivalente ao fechamento de 1,395 milhão de postos de trabalho.

Como consequência, a taxa de desemprego passou de 11,2% no trimestre até abril de 2016 para 13,6% no trimestre até abril de 2017, a mais alta para esse período do ano já registrada na série histórica da pesquisa, iniciada em 2012.

A taxa de desemprego só não foi mais elevada porque 556 mil brasileiros migraram para a inatividade no período de um ano.

O aumento na população que está fora da força de trabalho foi de 0,9% no trimestre encerrado em abril ante o mesmo período de 2016.

O nível da ocupação, que mede a proporção de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar, foi estimado em 53,2% no trimestre até abril.

CARTEIRA ASSINADA

Segundo o IBGE, o mercado de trabalho perdeu 1,243 milhão de vagas com carteira assinada no período de um ano.

O total de postos de trabalho formais no setor privado encolheu 3,6% no trimestre encerrado em abril de 2017, ante o mesmo período do ano anterior, conforme os dados da Pnad Contínua.

O contingente de trabalhadores com carteira assinada no setor privado encolheu para 33,286 milhões de pessoas no trimestre até abril, o menor patamar da série histórica da pesquisa, iniciada em 2012.

Já o emprego sem carteira no setor privado teve aumento de 3,1%, com 306 mil empregados a mais. O total de empregadores cresceu 10,6% ante o trimestre encerrado em abril de 2016, com 395 mil pessoas a mais.

O trabalho por conta própria encolheu 3,1% no período, com 702 mil pessoas a menos nessa condição.

Houve redução ainda de 119 mil indivíduos na condição do trabalhador doméstico, 1,9% de ocupados a menos nessa função. A condição de trabalhador familiar auxiliar cresceu 1,8%, com 38 mil ocupados a mais.

FOTO: Estadão Conteúdo






Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade




Publicidade



Publicidade




Publicidade