Economia

Desemprego diminui, mas em ritmo lento, mostra IBGE


A taxa caiu de 11,6% para 11,2% no último trimestre encerrado em janeiro de 2020. A informalidade atinge mais de 40% dos ocupados


  Por Agência Brasil 28 de Fevereiro de 2020 às 11:17

  | Agência de notícias da Empresa Brasileira de Comunicação.


A taxa de desocupação no trimestre móvel encerrado em janeiro ficou em 11,2%. A taxa é 0,4 ponto percentual menor do que a registrada no trimestre anterior, encerrado em outubro, quando 11,6% da população economicamente ativa estava sem trabalho.

Na comparação com o mesmo período de 2019, a redução foi de 0,8 ponto percentual. No mesmo período do ano passado, a desocupação estava em 12%. Estes sãos os primeiros números sobre o desemprego em 2020.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua e foram divulgados nesta sexta-feira, 28/02, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o IBGE, 11,9 milhões de pessoas estão desocupadas.

INFORMALIDADE

A população ocupada no país é de 94,2 milhões de pessoas, sendo que 40,7% delas estão na informalidade, o que corresponde a 38,3 milhões de trabalhadores, taxa 0,5 ponto percentual abaixo da do trimestre encerrado em outubro.

Estão subutilizadas 26,4 milhões de pessoas, número 2,7% menor do que o registrado no período anterior. Esse índice indica o número de pessoas que poderiam trabalhar mais horas do que estão trabalhando.

Já o número de desalentados, ou seja, pessoas que desistiram de procurar trabalho, ficou em 4,7 milhões, o que equivale a 4,2% da força de trabalho. O índice ficou estável na comparação trimestral e na anual.

RENDA

A renda domiciliar per capita nominal mensal ficou em R$ 1.439 no Brasil em 2019, segundo o IBGE.

A renda domiciliar per capita mais alta foi registrada no Distrito Federal, de R$ 2.686, enquanto a mais baixa era a do Maranhão, R$ 636. Em São Paulo, a renda per capita nominal alcançou R$ 1.946 em 2019.

No Rio de Janeiro, o rendimento ficou em R$ 1.882, e em Minas Gerais, foi de R$ 1.358. Os rendimentos domiciliares são obtidos pela soma dos rendimentos do trabalho e de outras fontes recebidos por cada morador no mês de referência da pesquisa, explicou o IBGE. O rendimento domiciliar per capita é a divisão dos rendimentos domiciliares pelo total dos moradores.

 

IMAGEM: Thinkstock