Economia

Deflação de setembro derruba inflação anual


Queda no indicador continua a dar sinais de que atingirá patamares menores, por conta da redução nos preços em grupos como alimentos e bebidas, diz o Instituto de Economia Gastão Vidigal


  Por Instituto Gastão Vidigal 09 de Outubro de 2019 às 18:34

  | Da equipe de economistas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP)


A inflação continua dando sinais de que atingirá patamares menores neste ano e nos próximos, elevando as chances de continuidade do ciclo de redução da taxa Selic durante as próximas reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom). A avaliação é do Instituto de Economia Gastão Vidigal da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), houve queda (deflação) de 0,04% na inflação de setembro, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA),surpreendendo os analistas de mercado, que esperavam leve aumento dos preços.

Com isso, a inflação em 12 meses desacelerou fortemente, alcançando a 2,89% (ver tabela abaixo), patamar ainda menor do que a meta anual perseguida pelo Banco Central (4,25%).

Esses resultados são explicados pela redução dos preços do grupo alimentação e bebidas, devido à maior safra agrícola, e pela deflação dos artigos de residência, provavelmente devido a descontos e promoções concedidas, frente ao fraco crescimento da demanda. A desaceleração da inflação e as menores expectativas de aumentos de preço também contribuem para a descompressão dos preços, ao inibir reajustes e repasses.

No mesmo mês, outro importante indicador de inflação, o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), divulgado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), apresentou pequena alta (0,5%).

Essa variação mensal, conjuntamente com a menor elevação dos preços das matérias primas agrícolas (IPA AGRO), em decorrência da maior safra, e das industriais (IPA IND), afetadas pela queda do preço do minério de ferro, provocaram nova desaceleração do índice em 12 meses, que alcançou a 3,0%. 

FOTO: Thinkstock