Economia

Consumidor muda de hábitos para enfrentar a crise


Trocar marcas, comprar o essencial e até dar ‘pedaladas’ para não deixar de pagar contas têm sido algumas das táticas utilizadas


  Por Estadão Conteúdo 17 de Agosto de 2015 às 11:57

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


Na casa do representante comercial Ernesto Francisco Andrade, o aperto vivido pelas famílias brasileiras virou realidade. Afinal, todos foram obrigados a reduzir consumo para que, no fim do mês, sobre dinheiro para pagar as contas. 

Funcionário de uma empresa de materiais elétricos para construção civil que entrou em recuperação judicial, Andrade teve que reduzir gastos, mudar hábitos de consumo e dar "pedaladas" no orçamento para manter um mínimo de conforto no dia a dia da família. 

LEIA MAIS:Confiança do brasileiro atinge pessimismo sem precedentes

"Ainda bem que consegui quitar o carro (um Kia Sportage, 2007). Mas a troca por um modelo mais novo vai ficar para depois", afirma Andrade. "As vendas caíram e a empresa passou a não cumprir prazos de entrega. Comecei a faturar bem menos, resultando numa queda de renda brutal."

Segundo Andrade, desde 2013, a coisa vem apertando, “mas este ano, piorou demais". A saída foi usar criatividade e jogo de cintura e, em alguns casos, ele diz que dá “pedaladas” para não deixar de pagar nenhuma – mesmo com atraso.  

“Se algumas cobram juros altos, como cartão de crédito, dou prioridade no pagamento. Mas outras, menores, ficam para o mês seguinte. Assim, vou revezando para não deixar de pagar ninguém. A gente atrasa aqui e ali e vai levando."

O consumo da família também mudou. "Troquei as marcas de produtos de limpeza e de consumo na casa", diz a mulher dele, Célia. Agora a família compra grandes quantidades em lojas de atacado. 

LEIA MAIS:Endividamento dos paulistanos registra queda em julho

"O sabão em pó, por exemplo, eu compro embalagens de cinco quilos, que sai mais barato. Parei com o refrigerante e agora o negócio é o suco de saquinho", conta.

Segundo Andrade, até mesmo conseguir um outro emprego está difícil. "As empresas mais conceituadas estão com o quadro formado", afirma. "Vamos esperar que as coisas melhorem para que a gente volte a consumir, mas não vejo muitas mudanças em pouco tempo não."

NOVA REALIDADE

Em Fortaleza, Clébia Nobre, dona de uma pequena confecção de roupas masculinas no bairro Serrinha, deixou a Coca-Cola de lado e substituiu pelas "tubaínas", como são chamados os refrigerantes de marcas menos conhecidas. 

O sabão em pó com o qual lavava a roupa da família - ela, o marido e as duas filhas menores - também foi trocado. De olho mais atento ao orçamento, Clébia deixou de lado a fidelidade a certas marcas de produtos para economizar.

Até pouco tempo atrás, a situação financeira da família era ótima. Em 2011, Clébia até ampliou a confecção, mas, com o aumento no custo de vida, a família começou a enfrentar alguns problemas financeiros. "A gente aperta o supérfluo e gasta o essencial. É melhor do que ter dívidas para o futuro."

Professora da rede municipal de Fortaleza, Christiane Costa também teve de fazer ajustes no orçamento para não acumular dívidas. Como as coisas estão piorando a cada dia, a alternativa da classe média está no corte de despesas. Marcas caras nem pensar." 

Para continuar bancando o combustível do carro usado para ir ao trabalho e para os passeios com a filha, ela reduziu o consumo de certos alimentos, como peixe, feijão verde e algumas frutas. Além da gasolina, outra conta que tem pesado é a de energia elétrica.

Já para o administrador de empresas Glauber Henrique de Carvalho, que trabalha no setor de construção, é separado e tem uma filha, a crise ainda não chegou. Ele costuma planejar tudo. 

"O segredo é não gastar com besteira", diz. Carvalho usa até um software para administrar as contas pessoais. "Às vezes, pagamos caro por um produto, mas na verdade, estamos pagando pela marca." 

Foto: Fátima Fernandes