Economia

Comércio garante saldo positivo de empregos formais em outubro


Números do Caged mostram que foram abertos no mês 76,5 mil novos postos de trabalho


  Por Estadão Conteúdo 20 de Novembro de 2017 às 17:39

  | Agência de notícias do Grupo Estado


 

Foram abertas no país 76.599 vagas de emprego formal em outubro, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta segunda-feira, 20/11, pelo Ministério do Trabalho.

Foi o sétimo aumento consecutivo no número de vagas com carteira assinada no País. Para meses de outubro, este é o melhor resultado desde 2013, quando foram geradas 94.893 vagas.

O resultado decorre de 1.187.819 admissões e 1.111.220 demissões. No acumulado do ano, houve abertura de 302.189 postos de trabalho com carteira assinada.

Em 12 meses até outubro, há fechamento acumulado de 294.305 vagas.

O resultado mensal foi puxado pelo comércio, que gerou 37.321 postos formais em outubro, e pela indústria de transformação, que abriu 33.200 novas vagas com carteira assinada. Em seguida, houve o desempenho positivo o setor de serviços (15.915 vagas).

Por outro lado, tiveram saldo negativo agropecuária (-3.551 postos), serviços industriais de utilidade pública (-729 postos), administração pública (-261 vagas), construção civil (-4.764) e extrativa mineral (-532 vagas).

O coordenador-geral de Estatísticas do Trabalho, Mário Magalhães, disse que o aumento do número de vagas de emprego no setor de comércio em outubro, de 37.321 postos, é reflexo das contratações de Natal.

Segundo ele, o mês em que mais há contratações em função do Natal é, tradicionalmente, setembro. Na sequência, estão outubro e novembro.

"O resultado de outubro confirma a sazonalidade positiva de contratação em fim de ano", afirmou. "O resultado de outubro confirma que a economia entra definitivamente nos eixos", acrescentou.

Segundo ele, os setores de comércio, serviços e indústria estão produzindo para atender demandas de fim de ano.

"Dos 12 subsetores da indústria, 11 apresentaram crescimento em outubro", pontuou. "O resultado do Caged em novembro será positivo, mas não como em outubro", acrescentou, lembrando que é natural que as contratações de fim de ano arrefeçam no penúltimo mês do ano. "Quem mantém o resultado positivo em novembro é o comércio." 

CONTRATAÇÕES FORAM INFLUENCIADAS PELA SAZONALIDADE

Magalhães também justificou o fato de, em outubro ante setembro, o recuo de 1,13% do salário médio de admissão no Brasil, de R$ 1.479,89 para R$ 1.463,12. Foi o segundo mês consecutivo de baixa. "Há sazonalidade", disse Magalhães. "A partir de agosto, você tem uma queda dos salários, que vai até dezembro." 

Segundo ele, isso é explicado, em parte, pela natureza das ocupações em que ocorrem as contratações. No fim do ano, o comércio é uma das principais fontes de contratação, sendo que os salários são mais baixos.

"Sazonalmente, existe queda do salário médio de admissão no fim do ano. Tirando a sazonalidade, você mantém a tendência de aumento do salário de contratação", disse. 

SALÁRIOS

O salário médio de admissão nos empregos com carteira assinada teve queda real de 1,13% em outubro ante setembro, para R$ 1.463,12, segundo dados do Caged. Na comparação com o mês de outubro do ano passado, houve alta de 3,77%, informou hoje o Ministério do Trabalho.

No acumulado do ano, há ganho de 2,69% acima da inflação no salário médio de admissão.

O Brasil abriu 76.599 vagas de emprego formal no mês passado. Segundo o ministério, o resultado foi positivo em 20 das 27 unidades da federação.

IMAGEM: Thinkstock