Economia

Brasil lidera piora do clima econômico na América Latina


País passou de uma alta de 3,6 pontos positivos em janeiro para 21,1 pontos negativos em abril


  Por Estadão Conteúdo 09 de Maio de 2019 às 15:40

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


A liderança do Brasil na melhora do clima econômico na América Latina observada no trimestre até janeiro, graças ao índice de expectativa, se inverteu e o País passou a ser o primeiro entre os piores no trimestre encerrado em abril.

A informação foi apresentada no indicador IFO/FGV de Clima Econômico (ICE) da América Latina, elaborado em parceria entre o instituto alemão IFO e a Fundação Getulio Vargas.

O Brasil passou de uma alta de 3,6 pontos positivos para 21,1 pontos negativos. O resultado foi puxado para baixo pela frustração das expectativas que ainda haviam para a melhora da economia em janeiro. Assim, ficou na média de seus pares latinos.

O ICE da América Latina saiu de uma queda de 9,1 pontos no trimestre terminado em janeiro para queda de 21,1 pontos no trimestre terminado em abril deste ano. A maior influência, segundo a FGV, foi a queda do Indicador da Situação Atual (ISA) e do Indicador das Expectativas (IE).

O Indicador das Expectativas (IE) caiu 15,8 pontos ao passar de 25,0 para 9,2 pontos no mesmo período ainda permanece na zona favorável. Já, o Indicador da Situação Atual (ISA) apresentou queda menor, de 9,0 pontos, permanecendo com saldo de respostas negativo.

"Essa devolução é explicada pela deterioração nas expectativas, considerando que o Índice de Expectativas (IE) caiu 31,7 pontos, mas ainda se mantém positivo, e do Índice de Situação Atual (ISA), com recuo de 19,0 pontos", informou a FGV, ressaltando que o México também contribui para a queda do índice geral da região. O recuo porém foi menor que o brasileiro, com o ICE piorando de 41,9 pontos negativos em janeiro para 43,7 em abril.

MUNDO

Em sentido oposto da América Latina, o Índice de Clima Econômico (ICE) do mundo melhorou em abril impulsionado pelas expectativas e acompanhado de uma pequena piora na avaliação da situação atual.

"Os resultados do mês de abril confirmam uma tendência iniciada em abril de 2013 - o ICE da América Latina sempre abaixo do ICE do mundo - e, que só foi interrompida em janeiro de 2019", explica a FGV.

Após a piora do clima econômico entre outubro de 2018 e janeiro de 2019 na União Europeia, nos Estados Unidos, no Japão, na Alemanha, França e Reino Unido, houve recuperação do ICE em todos esses países, exceto no Japão.

IMAGEM: Thinkstock