Economia

Antecipação do 13° salário deve injetar R$ 20,7 bi na economia


Para Alencar Burti, presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), a maior parte do recurso será usada para quitar dívidas


  Por Redação DC 27 de Agosto de 2018 às 19:17

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


Aposentados e pensionistas começam a receber nesta segunda-feira (27/08) a antecipação da primeira parcela do décimo terceiro.

De acordo com a Secretaria de Previdência, o depósito será feito junto com a folha mensal de pagamentos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) até 10 de setembro, conforme a Tabela de Pagamentos de Benefícios 2018.

A estimativa é de que essa antecipação injete na economia do país R$ 20,7 bilhões em agosto e setembro. Segundo o INSS, 29,7 milhões de beneficiários terão direito a receber a primeira parcela do abono anual, que corresponde à metade do valor do benefício.

A exceção é para quem passou a receber o benefício depois de janeiro de 2018. Nesse caso, o valor será calculado proporcionalmente.

Não haverá desconto de Imposto de Renda nesta primeira parcela. O tributo será cobrado apenas em novembro e dezembro, quando for paga a segunda parcela.

QUEM TEM DIREITO

Tem direito ao décimo terceiro quem, durante o ano, recebeu benefício previdenciário de aposentadoria, pensão por morte, auxílio-doença, auxílio-acidente, auxílio-reclusão ou salário-maternidade.

Aqueles que recebem benefícios assistenciais, como Prestação Continuada e Renda Mensal Vitalícia, não têm direito ao abono anual.

Desde 2006, o governo antecipa a primeira parcela do décimo terceiro dos aposentados e pensionistas na folha de agosto.

Somente em 2015, o pagamento foi adiado para setembro, por causa do ritmo fraco da economia e da queda da arrecadação.

DÍVIDAS

A primeira parcela do 13º deve ser destinada principalmente para o pagamento de dívidas, dada a situação atual de alto endividamento das famílias, ou para a poupança, em função da cautela do consumidor diante das incertezas econômicas e políticas. A avaliação é de Alencar Burti, presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP)

“Parte do benefício dos aposentados também deve ir para o consumo, e todo dinheiro é sempre bem-vindo e ajuda quem tem um negócio. Até mesmo se essa parcela for usada para o pagamento de dívida, isso é positivo porque libera o aposentado para voltar a consumir a prazo novamente”, diz Burti, que também preside a Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

Ele lembra que, se setembro tivesse data comercial, seria um estímulo para os beneficiários usarem o dinheiro extra no varejo. “O verdadeiro impacto do 13º salário fica mesmo para novembro, quando todos os trabalhadores recebem esse benefício, incluindo os próprios aposentados, que recebem a segunda parcela. É justamente por isso que as principais datas comerciais, como a Black Friday e o Natal, são tão aguardadas pelo comércio e pelos consumidores”, afirma o presidente da ACSP.