Economia

|Análise|Em agosto, indústria cresce menos que o esperado


Os bens duráveis, com crescimento de 9,7%, puxados por veículos, e os bens de capital com expansão de 8,2% sobre agosto do ano anterior são os principais destaques positivos


  Por Instituto Gastão Vidigal 02 de Outubro de 2018 às 16:10

  | Da equipe de economistas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP)


O setor industrial apresentou em agosto comportamento abaixo do esperado pelo mercado (3,2%) no comparativo anual, registrando crescimento de apenas 2,0%, reduzindo a taxa acumulada de doze meses para 3,1%, contra 3,3% no mês anterior.

Vale ressaltar que em abril, antes da greve dos caminhoneiros, o crescimento industrial em doze meses era de 3,9% o que sinaliza que a produção ainda não recuperou o ritmo dos primeiros meses do ano.

A indústria opera com grande capacidade ociosa, pois o nível atual de produção está 14,3% do pico observado em maio de 2.011.

Os bens duráveis, com crescimento de 9,7%, puxados por veículos, e os bens de capital com expansão de 8,2% sobre agosto do ano anterior são os principais destaques positivos, enquanto no lado negativo registra-se queda acentuada da “linha marrom”, que cresceu no primeiro semestre beneficiada pela venda de televisores em função da Copa, e os ramos têxteis e de confecções que vem apresentando desempenho negativo ao longo do ano.