Economia

Alta do PIB para 2020 é reduzida a 2,20% no Focus, do BC


O Relatório de Mercado Focus trouxe que a mediana das previsões para a Selic seguiu em 4,25% ao ano e a inflação foi reduzida de 3,22% para 3,20%


  Por Estadão Conteúdo 26 de Fevereiro de 2020 às 14:00

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


A expectativa de crescimento da economia em 2020 passou de 2,23% para 2,20%, conforme o Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta quarta-feira, 26/-2, pelo Banco Central. Há quatro semanas, a estimativa de alta era de 2,31%.

Para 2021, o mercado financeiro manteve a previsão de alta do Produto Interno Bruto (PIB), de 2,50%. Quatro semanas atrás, estava no mesmo patamar. Neste mês de fevereiro, o BC informou que seu Índice de Atividade (IBC-Br) teve baixa de 0,27% em dezembro ante março, na série com ajustes sazonais. Em relação a dezembro de 2018, houve alta de 1,28%.

A pesquisa Focus mostrou ainda que a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2020 foi de 56,89% para 56,77%. Há um mês, estava em 57,80%. Para 2021, a expectativa foi de 58,00% para 57,70%, ante 58,00% de mês atrás.

JUROS

Os economistas do mercado financeiro mantiveram suas projeções para a Selic (a taxa básica da economia) no fim de 2020 e 2021. O Relatório de Mercado Focus trouxe que a mediana das previsões para a Selic neste ano seguiu em 4,25% ao ano. Há um mês, estava no mesmo patamar.

LEIA MAIS: Por que o custo do crédito continua elevado mesmo após as quedas da Selic?

Já a projeção para a Selic no fim de 2021 seguiu em 6,00% ao ano, ante 6,25% de quatro semanas atrás. No caso de 2022, a projeção seguiu em 6,50%, igual a um mês antes. Para 2022, permaneceu em 6,50%, mesmo porcentual de quatro semanas atrás.

No início de fevereiro, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC cortou a Selic em 0,25 ponto porcentual, de 4,50% para 4,25% ao ano. Foi o quinto corte consecutivo da taxa básica. No comunicado sobre a decisão, o BC deixou claro que não pretende promover novo corte no encontro marcado para março. "Considerando os efeitos defasados do ciclo de afrouxamento iniciado em julho de 2019, o Comitê vê como adequada a interrupção do processo de flexibilização monetária", registrou o BC no comunicado da decisão. 

INFLAÇÃO

O Relatório de Mercado Focus mostra que a mediana para o IPCA neste ano foi de alta de 3,22% para 3,20%. Há um mês, estava em 3,47%. A projeção para o índice em 2021 seguiu em 3,75%. Quatro semanas atrás, estava no mesmo patamar.

O relatório Focus trouxe ainda a projeção para o IPCA em 2022, que seguiu em 3,50%. No caso de 2023, a expectativa permaneceu em 3,50%. Há quatro semanas, essas projeções também eram de 3,50% para ambos os casos. A projeção dos economistas para a inflação está abaixo do centro da meta de 2020, de 4,00%, sendo que a margem de tolerância é de 1,5 ponto porcentual (índice de 2,50% a 5,50%).

Os economistas do mercado financeiro apontaram ainda que a mediana das projeções do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) de 2020 passou de 4,00% para 3,98%. Há um mês, estava em 4,12%.

No caso de 2021, o IGP-M projetado seguiu em alta de 4,00%, igual a quatro semanas antes. Calculados pela Fundação Getulio Vargas (FGV), os Índices Gerais de Preços (IGPs) são bastante afetados pelo desempenho do câmbio e pelos produtos de atacado, em especial os agrícolas. 

 

IMAGEM: Pixabay